Fórum Empresarial Angola-Portugal serve para contrariar pessimismo – AEP

O Fórum Empresarial Angola-Portugal, que decorre na terça-feira em Luanda, vai servir para “contrariar algum clima de pessimismo que tem existido sobre o mercado angolano”, disse à Lusa o presidente da AEP – Associação Empresarial de Portugal.

Fórum Empresarial Angola-Portugal serve para contrariar pessimismo - AEP

Fórum Empresarial Angola-Portugal serve para contrariar pessimismo – AEP

O Fórum Empresarial Angola-Portugal, que decorre na terça-feira em Luanda, vai servir para “contrariar algum clima de pessimismo que tem existido sobre o mercado angolano”, disse à Lusa o presidente da AEP – Associação Empresarial de Portugal.

Lisboa, 22 jan (Lusa) – O Fórum Empresarial Angola-Portugal, que decorre na terça-feira em Luanda, vai servir para “contrariar algum clima de pessimismo que tem existido sobre o mercado angolano”, disse à Lusa o presidente da AEP – Associação Empresarial de Portugal.


“O objetivo é contrariar algum clima de pessimismo que tem existido sobre o mercado angolano, consubstanciado nos dados concretos das trocas comerciais e outros problemas que surgiram”, disse Paulo Nunes de Almeida à Lusa.


“Temos a expetativa que 2017 possa ser já um ano de relançamento da economia angolana, primeiro pelos ajustamentos internos, e depois porque tem havido nos últimos meses uma retoma do preço do petróleo, ainda longe do desejável para o país, mas melhor do que antes”, continuou o empresário.


A AEP leva 17 empresas portuguesas para um conjunto de reuniões e mostras de produtos e serviços nacionais em Luanda; “tendo em conta que das 17 empresas que integram a comitiva, 70% já estão a desenvolver operações no mercado angolano, o Fórum irá ter como foco principal as parcerias entre as empresas angolanas e portuguesas na diversificação da economia de Angola”, referiu a AEP.


“As empresas portuguesas têm de contribuir para a diversificação da economia, mas têm também de pensar que o futuro vai ser diferente e que Angola é um mercado muito importante no ranking das nossas exportações”, salientou Paulo Nunes de Almeida.


Questionado sobre a saída de várias empresas portuguesas de Angola no seguimento da crise económica e financeira que o país atravessa devido à quebra do preço do petróleo desde meados de 2014, o empresário respondeu que “as empresas que se querem internacionalizar têm de contar com a volatilidade e lembrar-se que o mundo muda”.


Nunes de Almeida considerou que apesar das dificuldades em vários mercados importantes para as empresas portuguesas, “o peso das exportações no PIB subiu de 30 para 40%, e isso mostra que a capacidade de adaptação aos mercados é uma característica mais que evidente nos empresários portugueses”.


Os empresários, defendeu, “nunca fecham horizontes, podem desacelerar ou tirar ritmo à internacionalização, mesmo devido às dificuldades na transferência de dinheiro, e outras não viram os créditos cobrados, e outras ainda tiveram de fazer regressar recursos humanos, mas não vi nenhum pôr uma cruz neste mercado onde a volatilidade é grande”.


Também por isso, enfatizou, é importante “que Portugal continue a marcar uma presença forte em Angola, que é um mercado natural para as empresas e tem muitos portugueses a viver lá”.



MBA // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS