FMI quer despesa criteriosa e alerta para insegurança alimentar em 12% de África

O Fundo Monetário Internacional (FMI) apelou hoje aos governos da África subsaariana para serem criteriosos na definição das políticas e da despesa pública tendo em conta a previsão de que mais de 12% dos africanos enfrentem insegurança alimentar.

FMI quer despesa criteriosa e alerta para insegurança alimentar em 12% de África

FMI quer despesa criteriosa e alerta para insegurança alimentar em 12% de África

O Fundo Monetário Internacional (FMI) apelou hoje aos governos da África subsaariana para serem criteriosos na definição das políticas e da despesa pública tendo em conta a previsão de que mais de 12% dos africanos enfrentem insegurança alimentar.

“Abordar a falta de resiliência às alterações climáticas e a consequente insegurança alimentar crónica exigirá uma cuidadosa priorização das políticas, dadas as limitações financeiras e de capacidade”, diz o Fundo num novo relatório, no qual afirma que pelo menos 123 milhões de pessoas, ou cerca de 12% da população da região, “podem ficar extremamente inseguras do ponto de vista alimentar, severamente subnutridas ou incapazes de satisfazer as suas necessidades alimentares básicas”.

O aquecimento global está a contribuir para um aumento do número de pessoas em situação de fome, com a África Oriental a passar por uma das piores secas da sua história, que surge no seguimento das consequências da pandemia de covid-19 e do impacto da guerra na Ucrânia, que originou um pico no preço dos cereais alimentares, diz o Fundo no texto citado pela agência France-Presse.

O impacto na economia da pandemia de covid-19 combinou-se com um pico nos preços dos cereais alimentado pela guerra na Ucrânia, salienta também o FMI.

Apesar dos muitos desafios, algumas reformas comerciais, regulamentares e de liberalização do mercado são viáveis, refere o FMI, alertando contra a tentação de ajudar intervindo na produção agrícola e na distribuição alimentar.

“Intervenções sem um foco concreto podem ser ineficientes e pesar nos orçamentos nacionais, aumentar o preço dos alimentos, impedir a concorrência e reduzir os rendimentos das colheitas”, lê-se no texto divulgado em Washington, que aponta que “o controlo dos preços e processos regulamentares demorados contribuam para quebras na disponibilidade dos alimentos ao desincentivarem a produção, armazenamento e no comércio de alimentos”.

Pelo contrário, o FMI recomenda “o envolvimento governamental localizado, como o apoio na pesquisa e desenvolvimento da construção de resiliência e produtividade agrícolas”.

MBA // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS