Este é o valor médio que os portugueses gastam em ventoinhas

Com a chegada do verão e com a subida das temperaturas a fazer-se sentir, os portugueses têm acorrido às lojas na procura de ventoinhas e ares condicionado.

Este é o valor médio que os portugueses gastam em ventoinhas

Este é o valor médio que os portugueses gastam em ventoinhas

Com a chegada do verão e com a subida das temperaturas a fazer-se sentir, os portugueses têm acorrido às lojas na procura de ventoinhas e ares condicionado.

A procura por ventoinhas e ares condicionados tem registado uma subida de 170% nas últimas duas semanas, face à subida das temperaturas das últimas semanas. Esta é a conclusão de uma análise do KuantoKusta ao setor da climatização entre 1 e 27 de maio. Apesar do esforço orçamental que muitas famílias estão a fazer, como resultado da inflação registada nos últimos meses, os ares condicionados (com um custo médio de 300 euros) são os produtos de climatização que verificaram um aumento da procura mais acentuado (217%).

“Ainda que sejam a solução mais cara, os portugueses preferem equipamentos mais eficazes para fazer face às temperaturas mais extremas e que também possam utilizar ao longo de todo o ano, inclusive para combater o frio do inverno”, explica Ricardo Pereira, diretor de marketing do KuantoKusta. De acordo com o responsável, a contribuir para esta opção está também o ligeiro decréscimo de preços dos ares condicionados portáteis durante os últimos três meses (entre 27 de fevereiro e 27 de maio), com descidas que atingem os 18 euros.

Portugueses gastam em média 140 euros

No que toca às soluções mais baratas, o comparador de preços e marketplace avança que os consumidores portugueses estão a gastar, em média, 45 euros em ventoinhas. Ainda assim, alerta para um possível aumento do preço destes equipamentos nas próximas semanas, por força do crescimento da procura e possibilidade de ruturas de stock em alguns comerciantes. Em suma, os portugueses estão a gastar, em média, 140 euros em ventoinhas e ares condicionados.

Passar longos períodos no telemóvel não é prejudicial, diz estudo
Investigadores alertam que o uso de smartphones é um indicador fraco para avaliar estado mental. A utilização diária e por largos períodos de tempo não indicou «ansiedade, depressão ou sintomas de stress». (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS