Eletricidade de Moçambique quer investir 1,3 mil milhões de euros nos próximos cinco anos

A Eletricidade de Moçambique (EDM) espera investir 1.6 mil milhões de dólares (1,3 mil milhões de euros) no plano de negócio para os próximos cinco anos, mas a situação da empresa “não é boa”, disse hoje fonte oficial.

Eletricidade de Moçambique quer investir 1,3 mil milhões de euros nos próximos cinco anos

Eletricidade de Moçambique quer investir 1,3 mil milhões de euros nos próximos cinco anos

A Eletricidade de Moçambique (EDM) espera investir 1.6 mil milhões de dólares (1,3 mil milhões de euros) no plano de negócio para os próximos cinco anos, mas a situação da empresa “não é boa”, disse hoje fonte oficial.

“O investimento que nós prevemos [para os próximos cinco anos], de capital definido, é de cerca de 1,6 mil milhões de dólares”, declarou António Nhassengo, diretor do Gabinete Estratégico e Desempenho da EDM.

António Nhassengo falava à comunicação social em Maputo, momentos após a apresentação do plano de negócios da empresa para os próximos cinco anos.

Entre outros objetivos, no plano da EDM para os próximos cinco anos, o destaque vai para a expansão da rede elétrica, tendo em conta que do total de 416 sedes de postos administrativos do país, 135 ainda não têm energia elétrica.

Apesar das projeções, segundo António Nhassengo, a situação da empresa “não é boa” e é necessário aumentar a tarifa de energia para reverter o cenário.

“Nós vamos continuar com resultados negativos se não houver aumento tarifário que nós prevemos para o exercício 2020-2024, que é de 10 %”, declarou António Nhassengo.

Por outro lado, a EDM pede a redução da base de incidência do imposto sobre o valor acrescentado (IVA) nas requisições de energia , argumentando que a empresa faz um desconto de 62% quando vende a energia a clientes, mas paga 100% quando a compra aos produtores.

Em junho, a empresa pública alertou que iria perder 13 milhões de euros com a redução da tarifa para as famílias mais desfavorecidas e pequenas e médias empresas, no âmbito das medidas adotadas pelo Governo para fazer face ao impacto da pandemia da covid-19.

EYAC // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS