Dívida pública da China atinge 149% do PIB em 2020

Dívida pública da China atinge 149% do PIB em 2020

A agência de ‘rating’ Moody’s alerta hoje para o crescente endividamento do setor público na China, que deve atingir 149% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2020, devido a um modelo de crescimento económico assente no investimento.

O relatório da Moody’s assegura que a China está a abrandar as medidas que visam travar o ‘boom’ do endividamento, face ao abrandamento da atividade doméstica e os riscos gerados pelas disputas comerciais com os Estados Unidos.

“Apesar de os objetivos a longo prazo de redução do endividamento e dos riscos se manterem, é possível que, face às atuais circunstâncias, as autoridades recorram mais aos gastos do setor público para apoiar o crescimento”, aponta o analista George Xu, no relatório.

O vice-presidente e diretor de crédito da Moody’s, Martin Petch, afirma esperar que a “alavancagem financeira em todos os setores da economia aumente ainda mais, face às crescentes pressões negativas sobre o crescimento”.

“Acreditamos que a dívida no setor público, que inclui o Governo e as empresas estatais, aumentará para 149% do PIB, no final desta década, 15% mais do que em 2017”, disse.

O documento afirma que, apesar de “as autoridades terem redobrado esforços para melhorar a supervisão das empresas estatais fortemente endividadas” e “controlar as suas fontes de financiamento”, o “setor público continua a acarretar riscos”.

No mês passado, o Banco do Povo Chinês (banco central) cortou o coeficiente de reservas obrigatórias dos bancos em 1%, libertando quase 110.000 milhões de dólares norte-americanos em crédito, para impulsionar o desenvolvimento económico.

O aumento dos gastos públicos ocorrerá sobretudo através das autoridades locais, considera a Moody’s, que num outro relatório aponta os desafios da China no controlo das fontes de financiamento opacos a que recorrem os governos locais e regionais.

“A grande e contínua diferença entre as necessidades reais dos governos locais e regionais na China e as suas limitadas fontes de rendimento implicam que continuem dependentes de empresas estatais locais para financiarem as suas necessidades de infraestrutura”, aponta o relatório.

O documento lembra que as “empresas públicas locais detêm a maior proporção de dívida oculta” do país.

Num relatório recente sobre a dívida oculta local, o banco central chinês calcula que, só numa província do país, os cálculos apontam para um nível real de endividamento 80% superior aos dados oficiais.

Nos últimos dez anos, enquanto as economias desenvolvidas estagnaram, a China construiu a maior rede ferroviária de alta velocidade do mundo, mais de oitenta aeroportos e dezenas de cidades de raiz, alargando a classe média chinesa em centenas de milhões de pessoas.

“Desde a crise financeira global [2008], a China criou 63% do novo dinheiro no mundo” ou “mais do que os Estados Unidos, Europa e Japão combinados”, descreve Dinny McMahon, autor do livro “China Great Wall of Debt” (“A Grande Muralha de Dívida da China”).

Manter altas taxas de crescimento económico e a criação de postos de trabalho são considerados pelas autoridades chinesas como essenciais para assegurar a estabilidade social, uma preocupação constante do Partido Comunista Chinês.

Há várias décadas que o crescimento económico é uma das principais fontes de legitimidade do partido único no país.

JPI // EA

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Dívida pública da China atinge 149% do PIB em 2020

A agência de ‘rating’ Moody’s alerta hoje para o crescente endividamento do setor público na China, que deve atingir 149% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2020, devido a um modelo de crescimento económico assente no investimento.