Covid-19: Não haverá qualquer problema com retoma de voos em Portugal — EASA

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação considera que “não haverá qualquer problema” com a retoma das viagens aéreas em Portugal após a pandemia de covid-19, destacando “o apoio total” das autoridades à adoção de medidas sanitárias.

Covid-19: Não haverá qualquer problema com retoma de voos em Portugal -- EASA

Covid-19: Não haverá qualquer problema com retoma de voos em Portugal — EASA

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação considera que “não haverá qualquer problema” com a retoma das viagens aéreas em Portugal após a pandemia de covid-19, destacando “o apoio total” das autoridades à adoção de medidas sanitárias.

“Temos um ótimo contacto com as autoridades nacionais portuguesas de aviação e elas apoiam totalmente as nossas diretrizes e procedimentos, [pelo que] não tenho dúvidas de que não teremos qualquer problema com Portugal”, disse o diretor executivo da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA, na sigla inglesa), Patrick Ky, em entrevista à agência Lusa.

“Penso que em Portugal, até ao momento, a situação é estável e temos uma forte cooperação com as autoridades nacionais”, reforçou o responsável, em declarações feitas dias antes de o país reabrir as suas fronteiras aéreas aos países europeus, o que acontecerá na próxima segunda-feira.

Esta retoma das viagens está a acontecer um pouco por toda a União Europeia (UE), embora as datas difiram de Estado-membro para Estado-membro, e foi para garantir a adoção de regras sanitárias uniformizadas que a EASA divulgou, juntamente com o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças, diretrizes de segurança para passageiros, aeroportos e companhias aéreas aplicarem desde a chegada ao local de partida até à saída no terminal de destino.

Entre as recomendações está o distanciamento físico em todos os locais do aeroporto (exceto dentro das aeronaves), o uso de máscara, a higiene frequente das mãos ao longo da viagem e ainda a responsabilização dos passageiros, para que não embarquem caso se sintam doentes.

“A aviação é um setor internacional e, neste caso, europeu, e não faria sentido ter um tipo de procedimentos em Lisboa que fossem diferentes dos de Bruxelas e isso não ajudaria a recuperar a confiança dos passageiros, criando ainda dificuldades às companhias aéreas e aos aeroportos”, afirmou Patrick Ky à Lusa.

Além das orientações de segurança, a EASA criou um protocolo relativo à segurança da aviação para monitorizar a implementação das regras, um projeto que ainda está numa fase piloto e que conta com um total de 25 operadores europeus, entre gestoras aeroportuárias e transportadoras aéreas.

“Seria bom era que os operadores portugueses — como o aeroporto de Lisboa ou a TAP — se juntassem proativamente ao protocolo de segurança para implementar as regras, de forma a ajudar a desenvolver mais rapidamente a rede com outras cidades europeias, aeroportos e outros operadores que se comprometeram com estas normas”, destacou Patrick Ky.

O responsável explicou que este “é um processo em aberto, pelo que quem quiser pode participar, sendo que a única condição é que quem participa tem de adotar as regras e comprometer-se a dar ‘feedback’ à EASA”.

“Se um operador português se quiser juntar, será muito bem recebido”, concluiu Patrick Ky.

Criada em 2002, a EASA garante a segurança no setor da aviação civil na Europa, monitorizando e promovendo normas harmonizadas para os 27 Estados-membros e outros parceiros económicos da região.

Sediada em Colónia, na Alemanha, e com escritório na capital belga, em Bruxelas, a agência junta autoridades do setor aeronáutico a nível europeu, incluindo a portuguesa Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).

ANE // CSJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS