Covid-19: Alojamento local com quebras de faturação de cerca de 80% no 1.º trimestre

O alojamento local apresentou quebras de faturação de cerca de 80% em Portugal no primeiro trimestre do ano, sendo que os últimos meses da pandemia foram os piores para os empresários.

Covid-19: Alojamento local com quebras de faturação de cerca de 80% no 1.º trimestre

Covid-19: Alojamento local com quebras de faturação de cerca de 80% no 1.º trimestre

O alojamento local apresentou quebras de faturação de cerca de 80% em Portugal no primeiro trimestre do ano, sendo que os últimos meses da pandemia foram os piores para os empresários.

O alojamento local apresentou quebras de faturação de cerca de 80% em Portugal no primeiro trimestre do ano, sendo que os últimos meses da pandemia foram os piores para os empresários, disse hoje a associação que representa o setor.

“Nós estamos a falar de quebras no primeiro trimestre que andam em torno dos 80% e em alguns casos até superior a 90%, ou seja, nos centros urbanos por exemplo”, disse o presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP), Eduardo Miranda, na Assembleia da República.

Eduardo Miranda falava através de videoconferência na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, sobre a aplicação das medidas de resposta à pandemia de covid-19 e do processo de recuperação económica e social.

De acordo com o presidente da ALEP, as novas medidas trouxeram um “balão de oxigénio”, mas “a terceira vaga [da pandemia] tem sido bastante grave [para o setor], talvez até pior para a maior parte dos empresários”, depois de um ano quase sem faturação.

“Ao contrário do que se pensa, no alojamento local, a maior parte dos operadores não tem alternativas, ou seja, 71% são feitos em casas de férias – em zonas de veraneio, montanha e rurais -, não há sequer possibilidade de utilização para outro efeito. E mesmo em Lisboa e no Porto mais de metade não pode migrar – mesmo que quisesse – para o arrendamento”, indicou.

Segundo Eduardo Miranda, muitos dos arrendatários têm situações de longo prazo, o que não acontece com o alojamento local, que se dedica ao turismo.

“O alojamento local tem flexibilidade em reabrir, por isso, poder ter aqui um papel fundamental, nesta primeira fase da retoma para dar resposta, para quando houver pouca procura e assim garantir o posicionamento de Portugal no turismo”, afirmou, lembrando que o setor representa, atualmente, 40% das dormidas no país.

Sobre as medidas de apoio definidas pelo Governo, Eduardo Miranda considerou que “houve um avanço” e que tem havido muita colaboração com a Secretaria de Estado do Turismo, adiantando que as medidas vão permitir a sobrevivência dos operadores no próximo trimestre.

“Estas medidas que foram lançadas vão garantir um balão do oxigénio. O APOIAR + Simples ainda não chegou, ainda não houve pagamento, mas os outros têm corrido bem, no pagamento das últimas tranches”, indicou.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.862.002 mortos no mundo, resultantes de mais de 131,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.887 pessoas dos 824.368 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

´

 

Impala Instagram


RELACIONADOS