Comércio externo da China cresce 9,4% no primeiro semestre de 2022

O comércio entre a China e o resto do mundo registou um crescimento homólogo de 9,4%, no primeiro semestre de 2022, para 19,8 biliões de yuans (2,92 biliões de euros), segundo dados oficiais hoje divulgados.

Comércio externo da China cresce 9,4% no primeiro semestre de 2022

Comércio externo da China cresce 9,4% no primeiro semestre de 2022

O comércio entre a China e o resto do mundo registou um crescimento homólogo de 9,4%, no primeiro semestre de 2022, para 19,8 biliões de yuans (2,92 biliões de euros), segundo dados oficiais hoje divulgados.

De acordo com a Administração Geral das Alfândegas do país asiático, as exportações denominadas na moeda chinesa avançaram 13,2%, entre janeiro e junho, para 11,14 biliões de yuans (1,65 bilião de euros). As importações aumentaram 4,8%.

O excedente comercial da China fixou-se em cerca de 2,48 biliões de yuans (367.622 milhões de euros) – um crescimento de 52,1%, em relação ao primeiro semestre de 2021.

“O comércio internacional da China experimentou uma recuperação notável nos meses de maio e junho”, disse o porta-voz das alfândegas, Li Kuiwen, em conferência de imprensa.

Li apontou o sucesso do país em conter os surtos de covid-19, que na primavera atingiram regiões chave para a indústria chinesa, incluindo Xangai, e o efeito das “políticas de estabilização do crescimento”, como fatores dessa recuperação.

Nos primeiros seis meses do ano, os principais parceiros comerciais do país asiático foram a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e a União Europeia, com as quais o comércio cresceu 10,6% e 7,5%, respetivamente, em relação ao mesmo período em 2021.

As trocas entre China e Estados Unidos aumentaram 11,7%, em relação ao primeiro semestre de 2021.

As alfândegas também divulgaram hoje os dados referentes ao mês de junho, quando as trocas comerciais entre a China e o resto do mundo subiram 14,3%, em termos homólogos.

As exportações continuam a ser um dos grandes motores da economia chinesa, que divulga na próxima sexta-feira os dados do Produto Interno Bruto (PIB), do primeiro semestre do ano, incluindo a evolução da produção industrial, investimento em ativos fixos, vendas a retalho e emprego, durante os meses marcados pela imposição de medidas de prevenção epidémica em várias cidades do país.

JPI // JMC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS