Bolsa de Nova Iorque negocia em alta suportada por acordo entre Washington e Pequim

A bolsa de Nova Iorque está hoje a negociar em alta, suportada pela assinatura da primeira fase do acordo comercial entre os Estados Unidos e a China, que veio desanuviar as tensões sobre o crescimento económico global.

Bolsa de Nova Iorque negocia em alta suportada por acordo entre Washington e Pequim

Bolsa de Nova Iorque negocia em alta suportada por acordo entre Washington e Pequim

A bolsa de Nova Iorque está hoje a negociar em alta, suportada pela assinatura da primeira fase do acordo comercial entre os Estados Unidos e a China, que veio desanuviar as tensões sobre o crescimento económico global.

Pelas 15:06 horas em Lisboa, o Dow Jones Industrial ganhava 0,53% para 29.185,06 pontos, o Standard & Poor’s subia 0,52% para 3.306,64 pontos e o tecnológico Nasdaq recuperava 0,73% para 9.326,60 pontos.

As ações negociavam em máximos históricos na abertura da sessão de hoje, segundo os analistas consultados pela agência de informação financeira Bloomberg.

O estratega sénior de mercados da LPL Financial referiu que o mercado está agora focado em novos indicadores macroeconómicos e nos resultados das empresas norte-americanas.

O indicador das vendas a retalho, explicou, “foi muito bom”, o consumo denota “uma evolução positiva” e os mercados “estão numa boa posição”, até porque contam igualmente com o alívio das tensões entre os Estados Unidos e a China.

Na Europa, as atas da reunião do Banco Central Europeu (BCE), hoje divulgadas, referem que o supervisor vai rever a estratégia de política monetária no início de 2020.

Nas atas, o BCE confirma ainda que os dados económicos disponíveis continuam a ser fracos, indicam “uma certa estabilização da economia da zona euro” e a manutenção dos riscos de uma desaceleração do crescimento, mas que estes riscos se tornaram “menos pronunciados”, pelo que os investidores vão estar também atentos ao que se passa na Europa, disseram os analistas.

Entretanto, no Médio Oriente a tensão entre os Estados Unidos e o Irão está de momento apaziguada.

Ainda nos Estados Unidos, os novos pedidos de subsídio de desemprego diminuíram em 10.000 na semana passada, para 204.000, face à semana anterior, indicou o Departamento do Trabalho norte-americano.

Os economistas consultados pela agência de informação financeira Bloomberg esperavam que, na semana concluída em 11 de janeiro deste ano, o número de novos pedidos de subsídio de desemprego no país se situasse em 218.000, pelo que a queda observada surpreendeu o mercado.

A bolsa de Nova Iorque terminou na quarta-feira com o Dow Jones a subir 0,31% para 29.030,22 pontos, novo máximo de sempre desde que foi criado em 1896.

No mesmo sentido, o Nasdaq fechou a avançar 0,08% para 9.258,70 pontos, contra o atual máximo de sempre, de 9.273,93 pontos, registado em 13 de janeiro.

JS/(MC) // JNM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS