Bolsa de Cabo Verde ultrapassa os 103 mil milhões de escudos de capitalização

A capitalização da Bolsa de Valores de Cabo Verde (BVC) ultrapassou no segundo semestre de 2022 os 103 mil milhões de escudos (938 milhões de euros), impulsionada pelo crescimento das emissões bolsistas, foi hoje anunciado.

Bolsa de Cabo Verde ultrapassa os 103 mil milhões de escudos de capitalização

Bolsa de Cabo Verde ultrapassa os 103 mil milhões de escudos de capitalização

A capitalização da Bolsa de Valores de Cabo Verde (BVC) ultrapassou no segundo semestre de 2022 os 103 mil milhões de escudos (938 milhões de euros), impulsionada pelo crescimento das emissões bolsistas, foi hoje anunciado.

“A capitalização bolsista no final do primeiro semestre deste ano atingiu um montante de cerca de 103 milhões de contos, resultado do esforço de todos os ‘stakeholders’, mas também dos colaboradores”, anunciou o presidente da Bolsa de Valores de Cabo Verde, Miguel Monteiro, na Praia, durante a apresentação da quinta emissão bolsista concluída pela instituição em 2022, neste caso no valor de 160 milhões de escudos (1,45 milhões de euros), a favor da Câmara Municipal de São Domingos.

Em concreto, essa capitalização bolsista – aproximação do valor de mercado das empresas e títulos – atingiu no final do primeiro semestre os 103.080.108.951 escudos (938 milhões de euros), depois de em abril último a Bolsa de Valores de Cabo Verde já ter ultrapassado pela primeira vez na sua história os 100 mil milhões de escudos (910 milhões de euros).

A Bolsa de Valores de Cabo Verde registou até 2021 uma média de quatro emissões bolsistas anualmente, mas segundo Miguel Monteiro, só nos primeiros seis meses de 2022 já realizou cinco, perspetivando “pelo menos outras cinco emissões obrigacionistas” durante a segunda metade do ano.

“Recentemente vimos aprovado pelo nosso acionista, o Estado, o novo plano estratégico 2021 — 2025. Tendo como ponto de partida a visão de sermos uma Bolsa de Valores sustentável, acessível, atrativa e relevante a nível nacional e regional, em África, com uma reputação global”, acrescentou ainda.

Segundo Miguel Monteiro, esse plano estratégico conta com cinco eixos principais, com destaque para a diversificação da oferta de produtos e serviços, na internacionalização, no desenvolvimento digital e tecnológico, nos recursos humanos e sobretudo “numa atuação conjunta com ‘stakeholders’ para a criação de condições de mercado favoráveis”.

A Bolsa de Valores de Cabo Verde foi criada em maio de 1998 e conta ainda com quatro empresas cotadas, com destaque para o Banco Comercial do Atlântico (BCA, detido pelo grupo Caixa Geral de Depósitos) e para a Caixa Económica, e outras que emitem obrigações.

PVJ // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS