Berlim dá ‘luz verde’ à reativação de centrais elétricas alimentadas a carvão

O Governo alemão deu hoje ‘luz verde’ para reativar centrais elétricas alimentadas a carvão e a petróleo que fazem parte da reserva energética, como parte de um pacote de medidas para poupar gás para o próximo inverno.

Berlim dá 'luz verde' à reativação de centrais elétricas alimentadas a carvão

Berlim dá ‘luz verde’ à reativação de centrais elétricas alimentadas a carvão

O Governo alemão deu hoje ‘luz verde’ para reativar centrais elétricas alimentadas a carvão e a petróleo que fazem parte da reserva energética, como parte de um pacote de medidas para poupar gás para o próximo inverno.

O Ministério da Economia e da Proteção Climática, chefiado por Robert Habeck, do Partido dos Verdes, a força motriz por detrás da medida, salientou que é temporária e “não afetará” o “objetivo prioritário” da Alemanha de completar a eliminação progressiva do carvão até 2030. O regulamento, que entrará em vigor na quinta-feira, permitirá que 27 centrais que não estavam atualmente em funcionamento regressem ao mercado da eletricidade numa base limitada até ao início da próxima primavera, especificamente até 30 de abril de 2023.

No entanto, a reativação está ligada ao decreto de estado de alarme que faz parte do Plano de Emergência do Gás, pelo que o levantamento deste significaria que as centrais teriam de se desligar da rede mais cedo. Por um lado, 16 centrais alimentadas a carvão que foram desligadas da rede mas faziam parte da reserva poderão voltar a funcionar – se os operadores assim o desejarem, uma vez que a medida é voluntária – a partir de quinta-feira, quando o regulamento entrar em vigor.

Além disso, 11 centrais elétricas a carvão que deveriam deixar de queimar carvão em determinadas datas em 2022 e 2023 como parte do processo de descarbonização poderão agora alargar as suas operações e tornar-se parte da reserva. De acordo com Habeck, a reativação, possibilitada pela aprovação no Parlamento, na semana passada, da nova Lei das Centrais de Substituição, irá poupar entre cinco e 10 terawatts-hora de gás natural na Alemanha e outro tanto no resto da Europa.

“Queremos poupar gás agora no verão para encher os nossos tanques para o inverno”, disse o ministro, que explicou em várias ocasiões que, para ter gás suficiente para satisfazer as necessidades das famílias e da indústria, é necessário reduzir a percentagem utilizada para produzir eletricidade. Segundo a agência federal de estatística (Destatis), 12,6% do consumo de gás da Alemanha foi utilizado para gerar eletricidade em 2021.

Contudo, segundo os meios de comunicação alemães, o plano para substituir a utilização do gás para a produção de eletricidade pela reativação de centrais elétricas a carvão apresenta algumas dificuldades, uma vez que as centrais não estão prontas para retomar as operações a curto prazo. Assim, alguns operadores avisaram que as centrais que deveriam ser desligadas este ano não possuem reservas de carvão suficientes ou não as podem transportar rapidamente para as centrais devido a estrangulamentos no setor da logística.

Noutros casos, há falta de pessoal qualificado para garantir que as instalações possam funcionar em plena capacidade, uma vez que, em particular, as que já foram encerradas têm apenas o menor dos efetivos. Isto significa que, embora as fábricas estejam autorizadas a retomar as operações a partir de quinta-feira, as que decidirem regressar ao mercado não o farão imediatamente e possivelmente não em plena capacidade.

Além da reativação das centrais a carvão, o Governo alemão adotou medidas para facilitar e acelerar as importações de gás natural liquefeito (GNL), embora devido à necessidade de construir as infraestruturas necessárias estas não produzam efeitos imediatos. Por esta razão, o Governo liderado pelo social-democrata Olaf Scholz está a promover a redução do consumo de gás na indústria, por exemplo, através de um sistema em que as empresas que queiram desistir durante alguns meses serão compensadas.

Segundo números do Governo, desde o início da guerra na Ucrânia, a Alemanha conseguiu reduzir o consumo de gás em 14% em comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo Habeck, os tanques de gás estão a encher-se a uma taxa de 1,3% a 1,4% por dia, mas, mesmo assim, o ministro diz ser necessário preparar um corte completo no fornecimento de gás russo através do gasoduto Nord Stream 1, que está atualmente inoperacional devido ao trabalho de manutenção anual.

Impala Instagram


RELACIONADOS