BdP e Banco Nacional de Angola realizaram 15 ações de cooperação este ano

O vice-governador do Banco de Portugal (BdP), Luís Máximo dos Santos, anunciou hoje que a instituição realizou este ano 15 ações de cooperação com o Banco Nacional de Angola, estando previstas mais nove ações até ao fim de 2022.

BdP e Banco Nacional de Angola realizaram 15 ações de cooperação este ano

BdP e Banco Nacional de Angola realizaram 15 ações de cooperação este ano

O vice-governador do Banco de Portugal (BdP), Luís Máximo dos Santos, anunciou hoje que a instituição realizou este ano 15 ações de cooperação com o Banco Nacional de Angola, estando previstas mais nove ações até ao fim de 2022.

“No corrente ano, já realizámos quinze ações — e ainda vamos no início de junho –, estando programadas ainda mais nove ações até ao final do ano. Estes números demonstram o alargado âmbito da cooperação entre os dois bancos centrais, o seu caráter permanente e a clara consciência das vantagens da mesma para as duas instituições”, disse Luís Máximo dos Santos, durante uma intervenção no Colóquio “Novo Ciclo da Economia Angolana”, em Lisboa, divulgada no ‘site’ da instituição.

Na iniciativa organizada pela Câmara de Comércio e Indústria Portugal — Angola, o vice-governador do supervisor bancário português recordou ainda que no ano passado, no plano bilateral, o BdP realizou dezoito ações de cooperação, que mobilizaram 16 departamentos do regulador, desde a supervisão prudencial e comportamental, à estabilidade financeira e à política monetária ou aos sistemas de pagamentos.

“O Banco Nacional de Angola é um dos participantes mais ativos nesse diálogo e nas iniciativas dinamizadas, tanto no plano bilateral como no plano multilateral”, vincou, salientando que os dois bancos centrais aprofundaram as suas relações de cooperação técnica e institucional nos diversos domínios das suas atribuições.

Máximo dos Santos frisou que Portugal tem-se sistematicamente mantido entre os três principais fornecedores de bens a Angola e que no plano do investimento bilateral “é notório” o aumento sustentado do investimento direto angolano em Portugal.

“E a parcela maior deste investimento, bem como do investimento português em Angola, corresponde ao setor financeiro”, frisou, acrescentando que “este relacionamento justifica também que o Banco de Portugal esteja particularmente atento aos desenvolvimentos do setor financeiro angolano e do respetivo enquadramento regulatório e institucional”.

Luís Máximo do Santos disse ainda que, após a crise provocada pela pandemia, a guerra na Ucrânia traz “muitas incertezas” ao cenário macroeconómico, no entanto, poderá levar a um novo “olhar” sobre as relações bilaterais entre os dois países.

“O quadro geopolítico ficará seguramente diferente do que tínhamos antes da guerra, o que poderá propiciar um novo olhar sobre as relações económicas entre Portugal e Angola e as vantagens que as mesmas podem trazer aos dois países e aos respetivos povos”, apontou.

AAT // CSJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS