Banco de Moçambique diz que acordo que resolveu 'apagão' da rede multibanco é temporário

Banco de Moçambique diz que acordo que resolveu ‘apagão’ da rede multibanco é temporário

O governador do Banco de Moçambique (BM), Rogério Zandamela, disse hoje que o acordo que pôs fim ao ‘apagão’ na rede de multibanco moçambicana é temporário, considerando que Moçambique não pode estar refém de uma “empresa sem expressão”.

“Esta é uma solução temporária. Logo que possível, adotaremos uma solução que nos dê segurança e cobertura do nosso sistema para que não soframos as vulnerabilidades, riscos e as precariedades que sofremos com a Bizfirst”, declarou o governador do BM.

Zandamela falava à margem do 43.º Conselho Consultivo do Banco de Moçambique, que decorre desde quarta-feira na cidade de Quelimane, na província da Zambézia, centro de Moçambique.

De acordo com Zandamela, a decisão de pagar à empresa portuguesa Bizfirst para esta restabelecer rede de caixas automáticas, terminais e cartões bancários do país não foi unilateralmente dos bancos comerciais.

“Fui claramente à banca e pedi: vocês que têm [dinheiro] falem com eles. Tragam a solução porque o povo não quer saber se a solução veio do BM ou dos bancos comercias,” afirmou Zandamela.

“Este não foi um plano da banca. Não há como a Bizfirst reativar o sistema sem a nossa colaboração”, acrescentou.

O Governador do BM reiterou que Bizfirst é uma empresa sem expressão”, mas foi a primeira a apresentar uma solução.

“Reitero: trata-se de uma empresa insignificante”, afirmou.

A posição do governador foi criticada por entidades da sociedade civil, que exigiram a sua demissão, acusando-o de arrogância no tratamento do “apagão” do sistema de pagamentos eletrónicos da rede bancária do país.

Na conferência de imprensa de hoje, Zandamela colocou o seu cargo a disposição caso o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, entenda que o seu trabalho terminou, considerando que está no cargo para servir o povo.

“Por enquanto tenho o apoio do Presidente da República para fazer o meu trabalho e enquanto isso acontecer eu continuo trabalhando”, observou.

Organizações da sociedade civil moçambicanas exigiram na quinta-feira a demissão de Zandamela, acusando-o de arrogância na forma como lidou com a situação.

“As aparições públicas de Rogério Zandamela têm criado incerteza nos mercados e nas empresas e revelam arrogância”, diz um comunicado divulgado por cinco organizações da sociedade civil.

As organizações consideraram ainda haver um conflito de interesse pelo facto de o Banco de Moçambique ser regulador e igualmente acionista da Simo, empresa gestora do sistema de pagamentos eletrónicos.

“Existe, claramente, um insanável conflito de interesses. As organizações da sociedade civil exigem que seja reposta a transparência na gestão do sistema eletrónico da banca moçambicana”, lê-se no comunicado.

As caixas automáticas e pontos de pagamento eletrónico da rede bancária moçambicana não funcionaram entre sexta-feira da semana passada e quarta-feira desta, depois de o fornecedor da plataforma eletrónica, a empresa portuguesa Bizfirst, ter cortado o serviço, devido a um litígio com a Simo.

O sistema foi restaurado, após a Associação Moçambicana de Bancos (AMB) chegar a acordo com a Bizfirst.

A decisão de pagar à Bizfirst tinha sido descartada pelo governador do Banco de Moçambique na terça-feira, quando foi ouvido no parlamento.

O dirigente confirmou ter participado numa reunião com bancos, onde “havia parceiros a puxar para essa via”, mas “o retorno à Bizfirst não está em vista”, disse, depois de a empresa ter cortado o serviço, anunciando que um novo fornecedor estaria a caminho de Moçambique, mas sem indicar prazos.

Na quarta-feira de manhã o cenário mudou: o primeiro-ministro, Carlos do Rosário, anunciou que se encontrou “uma solução imediata” e que a situação estava normalizada, sem mais detalhes, durante uma intervenção a abrir a sessão de perguntas ao Governo no plenário da Assembleia da República.

EYAC // VM

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Banco de Moçambique diz que acordo que resolveu ‘apagão’ da rede multibanco é temporário

O governador do Banco de Moçambique (BM), Rogério Zandamela, disse hoje que o acordo que pôs fim ao ‘apagão’ na rede de multibanco moçambicana é temporário, considerando que Moçambique não pode estar refém de uma “empresa sem expressão”.