Autocarros e metro do Porto “abarrotar” em horas de ponta

A redução do preço dos passes mensais fez aumentar “ainda mais” as dificuldades para quem já circulava nos transportes públicos da Área Metropolitana do Porto, com metros e autocarros “abarrotar” em horas de ponta.

Autocarros e metro do Porto

Autocarros e metro do Porto “abarrotar” em horas de ponta

A redução do preço dos passes mensais fez aumentar “ainda mais” as dificuldades para quem já circulava nos transportes públicos da Área Metropolitana do Porto, com metros e autocarros “abarrotar” em horas de ponta.

“É um caos, os autocarros vêm cheiinhos até à pinha, uma pessoa quer entrar e não consegue. Há poucos autocarros para tanta gente, mas isso já se via antes dos passes baixarem de preço, só que agora piorou”, contou hoje à Lusa uma utente.

Maria Adelaide apanha diariamente quatro autocarros entre Gondomar e o seu local de trabalho, em Arca de Água, no Porto.

“Eu acho que agora até tiraram autocarros. Não sou só eu que digo, quando estamos nas paragens, muitas pessoas têm a mesma opinião”, sublinhou.

Na cidade no Porto, “a gente entra bem, mas para Gondomar é um caos”, frisou.

Na estação de metro da Trindade, Maria João, de 20 anos, vinda da Póvoa de Varzim constatou que “os metros vêm mais cheios e há mais confusão”.

“Muitas vezes vou para a Póvoa e só há uma carruagem e é impossível. Já fiquei de fora e tive de esperar por outro, mas também me acontece de manhã, quando tenho de apanhar aqui na Trindade o metro para o Hospital de São João. Muitas vezes é demasiada confusão e não dá sequer para entrar. Tenho de ficar à espera”, referiu a jovem.

Maria João considerou ainda que “antes da descida do preço dos passes isso acontecia, mas era menos frequente”.

Fátima Correia não anda de metro porque lhe “mete muita confusão”, por isso desconhece se as carruagens andam ou não lotadas, mas em relação aos autocarros não hesita em afirmar que “anda muita gente, são muito menos autocarros e andam cheios”.

“Devia haver mais transportes, mais autocarros e mais metros, para quem usa. Vem tudo sobrelotado, já andavam, mas com a redução do passe passou a ser mais”, afirmou.

Disse ainda que tem de “sair de casa muito mais cedo”.

Sem muito tempo “para conversas”, porque tinha apenas “dois minutos” para entrar ao serviço, Rui Andrade considerou que “a certo ponto, em Vila Nova de Gaia ninguém entra na carruagem” do metro.

“Antes havia mais espaço para toda a gente, agora não. A partir de General Torre vem cheio até à Trindade”, sustentou.

José Folha vem de Matosinhos de metro e sai na Trindade, onde apanha o autocarro até Gaia.

“Eu entendo que não há autocarros e os que há estão fora dos horários. Já me aconteceu ir a pé até Gaia”, acrescentou.

PM//LIL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS