Ataques em Moçambique: Corpos de adultos e crianças visíveis nas ruas de Palma

Corpos de adultos e crianças assassinadas são visíveis nas ruas de Palma, norte de Moçambique, descreveu hoje à Lusa um residente que, juntamente com outros, fugiu para Quitunda, quatro quilómetros a sudeste da vila, junto aos projetos de gás.

Ataques em Moçambique: Corpos de adultos e crianças visíveis nas ruas de Palma

Ataques em Moçambique: Corpos de adultos e crianças visíveis nas ruas de Palma

Corpos de adultos e crianças assassinadas são visíveis nas ruas de Palma, norte de Moçambique, descreveu hoje à Lusa um residente que, juntamente com outros, fugiu para Quitunda, quatro quilómetros a sudeste da vila, junto aos projetos de gás.

Corpos de adultos e crianças assassinadas são visíveis nas ruas de Palma, norte de Moçambique, descreveu hoje à Lusa um residente que, juntamente com outros, fugiu para Quitunda, quatro quilómetros a sudeste da vila, junto aos projetos de gás.

O residente, que preferiu falar sob anonimato, contou que a fuga foi feita aos poucos desde que rebeldes armados invadiram a vila na quarta-feira e começaram a disparar.

Segundo relatou, ele e outras pessoas foram avançando às escondidas, de rua em rua, evitando as zonas onde se ouvia tiroteio, para assim saírem do perímetro de Palma, chegando a Quitunda na quinta-feira à tarde.

Nas ruas viram corpos abandonados de adultos e crianças assassinadas, disse, sem mais detalhes.

O distrito de Palma tem cerca de 52.000 habitantes, a maioria residente na vila, e a estrutura etária da população moçambicana é jovem, quase metade com menos de 18 anos.

Os residentes em fuga relataram também haver duas agências bancárias destruídas, entre outros edifícios, infraestruturas e veículos.

Cinco pesados de transporte de inertes de uma pedreira estavam igualmente destruídos e os motoristas mortos.

O residente disse estar separado da família, porque estava fora de casa quando a ocupação de Palma aconteceu e já não conseguiu regressar.

Outro morador que saiu da vila antes dos ataques disse à Lusa que não sabe do paradeiro da mulher desde o dia da invasão.

Um número incalculado de pessoas está desde quarta-feira a fugir para a península de Afungi, após o ataque a Palma que entrou hoje no terceiro dia de confrontos.

Segundo duas fontes que acompanham as operações, os disparos na vila e em redor continuavam ao fim da tarde de hoje entre forças moçambicanas e grupos rebeldes.

O ataque é o mais grave junto aos projetos de gás após três anos e meio de insurgência armada à qual a sede de distrito tinha até agora sido poupada.

A violência está a provocar uma crise humanitária com quase 700 mil deslocados e mais de duas mil mortes.

Algumas das incursões foram reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico entre junho de 2019 e novembro de 2020, mas a origem dos ataques continua sob debate.

 

LEIA AGORA
Meteorologia: Previsão do tempo para sábado, 27 de março
Meteorologia: Previsão do tempo para sábado, 27 de março
Meteorologia | Saiba que tempo fará para sábado, 27 de março, em Portugal Continental e nos arquipélagos dos Açores e da Madeira. (… continue a ler aqui)

 

Impala Instagram


RELACIONADOS