António Mexia avança para 5.º mandato na liderança da EDP

António Mexia avança para 5.º mandato na liderança da EDP

António Mexia foi hoje reconduzido na liderança da EDP para o próximo triénio, período em que deverão ser conhecidos desenvolvimentos no processo que investiga a introdução dos CMEC.

Lisboa, 05 abr (Lusa) – António Mexia foi hoje reconduzido na liderança da EDP para o próximo triénio, período em que deverão ser conhecidos desenvolvimentos no processo que investiga a introdução dos CMEC, e decisões em litígios com o Estado português.


O ponto nove da ordem de trabalhos da assembleia-geral de acionistas relativo à eleição dos membros do Conselho de Administração Executivo foi aprovado por 99,70% do capital representado (70% do total).


Em 12 anos de liderança da EDP, o gestor acompanhou a transição de empresa pública para privada, com a alienação da participação do Estado à China Three Gorges (CTG), que atualmente é o maior acionista da elétrica, com 21,35% do capital, e transformou a elétrica numa empresa mais renovável e internacional.


Quando Mexia assumiu os destinos da elétrica, em 2006, a EDP fechou o ano com lucros de 940 milhões de euros, que subiu 18% para 1.113 milhões de euros em 2017, período em que a capacidade instalada duplicou de 13.470 megawatts (MW) para 26.753 e a produção disparou 45% para 70.000 GWh.


Este crescimento foi acompanhado por uma subida da dívida líquida entre 2006 e o final de 2017 para os 13.902 milhões de euros (acima dos 9.283 milhões de euros em 2006, mas abaixo do máximo di 18.233 milhões de euros em 2012).


Alguns dos maiores desafios do novo mandato de António Mexia acontecem na Justiça, onde decorre a investigação do Ministério Público, que conta uma dezena de arguidos, que visa apurar “o processo legislativo bem como os procedimentos administrativos relativos à introdução no setor elétrico nacional dos CMEC [Custo para Manutenção do Equilíbrio Contratual]”.


Em paralelo, decorrem vários processos entre a empresa e o Estado, sendo o mais mediático o da Contribuição Especial sobre o Setor Energéticos (CESE), que é suportada pelas energéticas desde 2014.


O novo Conselho de Administração Executivo, que vai aumentar de oito para nove elementos para cumprir a quota de 20% de mulheres nos órgãos de administração, tem dois nomes novos – Maria Teresa Isabel Pereira e Vera Pinto Pereira -, um deles em substituição de Nuno Alves, que chegou à elétrica há 12 anos, tendo sido a escolha de António Mexia para assumir a pasta financeira do grupo.


De resto, Mexia vai continuar a ter a mesma equipa, nomeadamente João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, Miguel Stilwell, presidente da EDP Comercial, Miguel Setas, presidente da EDP Brasil, João Marques da Cruz, António Marques da Costa e Rui Teixeira.


Os acionistas da EDP aprovaram também hoje Luís Amado, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, para presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, cargo até agora ocupado pelo ex-ministro das Finanças Eduardo Catroga, com 95,44% do capital representado a votar favoravelmente.


Este órgão integra também no próximo triénio Maria Celeste Cardona, Ilídio de Pinho, Braga de Macedo e Vasco Rocha Vieira, não sendo ainda identificados os representantes de todos os principais acionistas, como a CTG.



JNM // MSF

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

António Mexia avança para 5.º mandato na liderança da EDP

António Mexia foi hoje reconduzido na liderança da EDP para o próximo triénio, período em que deverão ser conhecidos desenvolvimentos no processo que investiga a introdução dos CMEC.