Agências de viagens de Cabo Verde preocupadas com falta de voos a partir de abril

A Associação das Agências de Viagens e Turismo (AAVT) cabo-verdiana mostrou-se hoje preocupada com a indisponibilidade de voos domésticos a partir de 01 de abril e alertou para danos “irreparavéis” caso a situação não seja revertida.

Agências de viagens de Cabo Verde preocupadas com falta de voos a partir de abril

Agências de viagens de Cabo Verde preocupadas com falta de voos a partir de abril

A Associação das Agências de Viagens e Turismo (AAVT) cabo-verdiana mostrou-se hoje preocupada com a indisponibilidade de voos domésticos a partir de 01 de abril e alertou para danos “irreparavéis” caso a situação não seja revertida.

“É com muita preocupação que a AAVT tomou nota, a partir dos seus associados, da indisponibilidade de voos da Transporte Interilhas de Cabo Verde (TICV) no sistema GDS de vendas de passagens aéreas, a partir do dia 01 de abril, sem uma explicação plausível dos responsáveis”, alertou a associação em comunicado enviado à Lusa.

Para a mesma agremiação empresarial, tratar-se de “uma situação inusitada” e que, sobretudo nestes tempos difíceis para a aviação civil, vem acrescer às dificuldades económicas sentidas pelas agências de viagens nacionais.

“Torna quase impossível a planificação e venda antecipada de passagens áreas, inclusive, a nível internacional, já que os emigrantes e outros passageiros da diáspora recusam-se a adquirir passagens aéreas para Cabo Verde, sem garantia de ligações internas aéreas às diferentes ilhas”, prosseguiu a associação. 

Numa nota assinada pelo seu presidente, Mário Sanches, a AAVT sublinhou ainda que a situação provoca “dificuldades acrescidas” para as agências, “numa altura em que a sobrevivência dos negócios está por um fio, com a crise global, resultado da covid-19”.

“A agravar ainda mais a situação, os contactos estabelecidos com as entidades competentes não resultaram em nenhum cabal esclarecimento, estando as agências de viagens nacionais em completo escuro sobre as causas e, mais importante, as soluções e prazos para a resolução definitiva do problema”, referiu.

“Daí que instamos a quem de direito a tudo fazerem para a resolução imediata desta questão, por forma a evitar mais danos às agências de viagens e que poderão revelar-se irreparáveis com o agravar da situação crítica com que nos deparamos, de momento”, terminou a nota.

As ligações aéreas domésticas em Cabo Verde são feitas pela empresa Transportes Interilhas de Cabo Verde (TICV).

Numa pesquisa para os próximos dias na sua página oficial, aparece a mensagem que “não existem lugares disponíveis nesta data” e pede para realizar nova busca.

A Lusa tentou obter uma reação da TICV mas não foi possível até ao fecho desta reportagem.

Em 11 de março, o Governo de Cabo Verde assinou um protocolo de colaboração com várias instituições públicas e privadas ligadas ao turismo, entre elas a AAVT e a TICV, com várias medidas para promover o turismo interno.

O documento visa a promoção de atividades que permitam o desenvolvimento de parcerias conjuntas e cooperação multilateral e da parceria institucional para potenciar o fomento do setor do turismo interno, especialmente em tempo de pandemia e de pós-pandemia da covid-19.

Um dos aspetos do protocolo será a redução dos custos de tarifas de transportes de 40%  em relação à tarifa base de referência, para venda exclusivamente em pacotes turísticos interilhas.

Na altura, o presidente da AAVT considerou a assinatura do protocolo como um “momento marcante” que poderá representar um “ponto de viragem” para as empresas do setor e uma “luz ao fundo do túnel” para “salvação dos negócios” de várias agências, bastante afetadas pela crise pandémica. 

 

RIPE // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS