Acionistas da Galp aprovam Andy Brown como novo presidente da Comissão Executiva

Os acionistas da Galp deram hoje ‘luz verde’ ao novo presidente da Comissão Executiva do grupo, Andy Brown, em assembleia-geral, de acordo com um comunicado publicado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Acionistas da Galp aprovam Andy Brown como novo presidente da Comissão Executiva

Acionistas da Galp aprovam Andy Brown como novo presidente da Comissão Executiva

Os acionistas da Galp deram hoje ‘luz verde’ ao novo presidente da Comissão Executiva do grupo, Andy Brown, em assembleia-geral, de acordo com um comunicado publicado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Nessa nota, a Galp informou que os detentores de títulos da empresa deliberaram favoravelmente “sobre a ratificação da cooptação” de Andrew Richard Dingley Brown “como membro do Conselho de Administração e presidente da Comissão Executiva da sociedade”.

Em 05 de fevereiro, o Conselho de Administração da Galp anunciou que tinha decidido antecipar para esse dia o início de funções do novo presidente executivo, Andy Brown, que sucede a Carlos Gomes da Silva, comunicou então a empresa ao mercado.

“[…] O Conselho de Administração da Galp decidiu antecipar a data de início de funções de Andy Brown para hoje. O Andy irá liderar a estratégia da Galp como empresa integrada de energia, alinhada com a transição para uma economia de baixo carbono”, lê-se num comunicado remetido à CMVM.

Em 12 de janeiro, a Galp comunicou ao mercado a renúncia de Carlos Gomes da Silva à presidência da Comissão Executiva.

Os acionistas deliberaram ainda hoje sobre “o relatório único de gestão, as contas individuais e consolidadas e os demais documentos de prestação de contas respeitantes ao exercício de 2020, incluindo o reporte de governo societário e a informação não financeira consolidada, acompanhados, nomeadamente, dos documentos de certificação legal de contas e do parecer e relatório de atividade do Conselho Fiscal”.

Foi ainda aprovada “a proposta de aplicação dos resultados do exercício de 2020” e os acionistas procederam à “apreciação geral do Conselho de Administração”, do Conselho Fiscal e do Revisor Oficial de Contas.

A assembleia-geral deliberou ainda favoravelmente “sobre a proposta de política de remuneração dos membros dos órgãos de administração e fiscalização e dos membros da Mesa da Assembleia Geral, apresentada pela Comissão de Remunerações”, e sobre “a concessão de autorização ao Conselho de Administração para a aquisição e alienação de ações próprias e de obrigações próprias ou outros valores mobiliários próprios representativos de dívida, pela sociedade e por sociedades participadas”.

O Conselho de Administração da Galp anunciou em fevereiro que iria propor um dividendo por ação relativo a 2020 de 0,35 euros, metade dos 0,70 euros por ação pagos no ano passado.

A Galp teve em 2020 um resultado negativo de 42 milhões de euros, comparando com os 560 milhões de lucros conseguidos no ano anterior, valores que mostram os desafios impostos ao setor pela pandemia, segundo os dados revelados pela empresa.

De acordo com os valores comunicados à CMVM, no quarto trimestre do ano o resultado líquido ajustado caiu 98% em termos homólogos para três milhões de euros.

ALYN (MPE/PE) // CSJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS