Denuncia diretor de escola de assédio sexual e é queimada viva

Uma jovem de 19 anos morreu após ter denunciado à polícia que o diretor da escola a assediava sexualmente

Denuncia diretor de escola de assédio sexual e é queimada viva

Denuncia diretor de escola de assédio sexual e é queimada viva

Uma jovem de 19 anos morreu após ter denunciado à polícia que o diretor da escola a assediava sexualmente

Nusrat Jahan Rafi, de 19 anos, morreu cinco dias depois de ter feito uma queixa de assédio sexual na polícia. A jovem, estudante de uma escola no Bangladesh, acusou o director do estabelecimento de ensino onde estudava. Após a denúncia, a aluna foi regada com combustível e queimada viva.

Segundo Nusrat, o diretor chegou a tocar-lhe de uma forma inapropriada. Contudo, na altura, a jovem garantiu que conseguiu fugir da sala aula e escapar ilesa. Após a denuncia, o responsável pela escola foi detido. No entanto, quando Nusrat regressou à escola para realizar os exames do final do semestre, foi levada à força para o topo do edifício do estabelecimento de ensino, onde a aguardava um grupo de pessoas com as caras tapadas com burcas. Primeiramente, os agressores disseram-lhe que tinha de retirar a queixa contra o diretor. Mas quando Nusrat se recusou, o grupo incendiou-a.

A jovem ainda foi transportada para um hospital com 80% do corpo queimado mas acabou por não resistir aos ferimentos. A morte da jovem tem motivado vários protestos e levantado uma onda de indignação nas redes sociais.

LEIA MAIS

Previsão do tempo para sábado, 20 de abril

Cadeia de lojas em Portugal serve gelados com larvas

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS