Covid-19: Mais 8.463 infeções e 35 mortes em Portugal em 24 horas

Direção-Geral da Saúde revela no Boletim Epidemiológico de hoje o número mais recente de casos relativos à pandemia de covid-19 no nosso país.

Covid-19: Mais 8.463 infeções e 35 mortes em Portugal em 24 horas

Covid-19: Mais 8.463 infeções e 35 mortes em Portugal em 24 horas

Direção-Geral da Saúde revela no Boletim Epidemiológico de hoje o número mais recente de casos relativos à pandemia de covid-19 no nosso país.

O boletim epidemiológico da covid-19 apresentado nesta quarta-feira, 9 de fevereiro, pela Direção-Geral da Saúde revela que nas últimas 24 horas houve mais 8.463 pessoas infetadas em Portugal (passando o número de infeções desde o início da pandemia para 3.093.723). O números de mortos ontem registado em face do vírus SARS-CoV-2 relatado pela DGS é de 35 (elevando o total de óbitos para 20.565).

LEIA DEPOIS
Novos surtos de gripe das aves surgem na Europa já atingiram Portugal

Recuperaram no País, ontem, 29.289 pessoas, o que nos coloca nos 548.867 casos ativos de infeção pelo novo coronavírus, menos 20.861 do que nas 24 horas anteriores. Em enfermaria geral estão hoje 2.364 pacientes (mais 66) e 148 (menos 7) com necessidade de cuidados intensivos. A incidência nacional situava-se ontem em 4989,6 casos de infeção por cada 100 mil habitantes e o índice de transmissibilidade (Rt) era de 0,81.

Dois anos de pandemia

Decorridos dois anos desde que o novo coronavírus se alastrou por todo o mundo e deixou vários países em confinamento, estamos agora numa fase em que o número de casos é exponencial. Portugal tem batido sucessivamente recordes de infeções, mas o número de casos graves, internamentos e mortes não tem correspondência com o de infetados, sugerindo que a Ómicron – variante que atinge larga maioria da população infetada no País – e a vacinação em massa contribuíram de forma aparentemente decisiva para que o panorama atual seja bem menos preocupante do que aquele que o enfrentávamos há precisamente um ano, altura em que se se registavam mais de 300 mortes diárias. Independentemente de o avanço científico estar a contribuir para atenuar o risco de doença grave, Marta Temido, ministra da Saúde, não duvida de que dificilmente voltaremos à “normalidade tal e qual a vivíamos“.

Impala Instagram


RELACIONADOS