Cooperação das Nações Unidas com Angola conta com 230 milhões de euros até 2022

A parceria entre Nações Unidas e Angola para o período 2020-2022 conta com 230 milhões de euros para investir em quatro áreas, com destaque para a formação das mulheres e dos jovens, disse o coordenador residente da ONU em Angola.

Cooperação das Nações Unidas com Angola conta com 230 milhões de euros até 2022

Cooperação das Nações Unidas com Angola conta com 230 milhões de euros até 2022

A parceria entre Nações Unidas e Angola para o período 2020-2022 conta com 230 milhões de euros para investir em quatro áreas, com destaque para a formação das mulheres e dos jovens, disse o coordenador residente da ONU em Angola.

O acordo relativo ao novo quadro de cooperação entre o Governo de Angola e as Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável para o período 2020/2022 foi hoje assinado em Luanda pelo ministro da Economia e Planeamento, Sérgio dos Santos e o representante das Nações Unidas, Paolo Balladelli.

As áreas eleitas para a cooperação são a transformação económica e social do país, adolescentes, jovens e empoderamento da mulher, meio ambiente e resiliência da população e vulnerável e a democracia e estabilidade.

“A grande novidade é uma área muito específica dirigida aos jovens e às mulheres”, adiantou Paolo Baladelli.

No caso dos jovens o objetivo é reforçar o exercício da cidadania e das suas competências para melhorar o acesso ao emprego.

“Sabemos que o tema juvenil é importante para o país e será um grande foco do trabalho nos próximos três anos”, indicou o responsável.

Quanto às mulheres, Paolo Baladelli, considerou que são “uma componente essencial para o desenvolvimento sustentável do país” e devem ser “empoderadas e protegidas”

O novo quadro passa também a juntar a componente económica com a social: “tivermos em consideração que se não tivermos os recursos para conseguir dinamizar a economia não conseguirem ter recursos para o setor social”, justificou.

Destacou ainda a necessidade de “boa governação”.

“Se quisermos realmente melhorar a economia e ajudar os jovens e as mulheres precisamos de instituições fortes, de descentralização, de desburocratização de poderes e de recursos. Isso é possível se geramos, nos municípios, a capacidade de gerir toda esta massa crítica de recursos”, sublinhou

Com um envelope financeiro de 260 milhões de dólares (230 milhões de euros), ou seja, cerca de 85 milhões de dólares (75 milhões de euros) disponíveis por ano, o principal objetivo da ONU é “trabalhar para potenciar as capacidades nacionais “e transferir tecnologia e conhecimento, empoderando as entidades locais, salientou o coordenador da ONU

Deste montante, cerca de metade está já disponível e é constituído por parte das reservas das Nações Unidas, faltando angariar 120 milhões de dólares (106 milhões de euros)

As quatro áreas de cooperação contam entre os parceiros, com membro do governo, entidades financeiras internacionais, sociedade civil, setor privado, academia e 13 agências da ONU com presença em Angola e oito exteriores, mas que desenvolvem programas no país africano.

RCR // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS