Brasil quer cooperar com empresas moçambicanas nos projetos de gás natural

O Governo brasileiro mostrou hoje interesse no apoio às empresas moçambicanas para aproveitarem as oportunidades que serão geradas pelos investimentos no gás natural, assinalando a importância da industrialização do país africano.

Brasil quer cooperar com empresas moçambicanas nos projetos de gás natural

Brasil quer cooperar com empresas moçambicanas nos projetos de gás natural

O Governo brasileiro mostrou hoje interesse no apoio às empresas moçambicanas para aproveitarem as oportunidades que serão geradas pelos investimentos no gás natural, assinalando a importância da industrialização do país africano.

“O setor produtivo moçambicano pode contar com o Brasil”, declarou o embaixador do Brasil em Maputo, Carlos Puente, falando na II Conferência do Gás Brasil-Moçambique.

As autoridades e o empresariado brasileiro estão dispostos a cooperar com a contraparte moçambicana para que o país se envolva no desenvolvimento do setor de hidrocarbonetos, acrescentou Puente.

O secretário-permanente do Ministério dos Recursos Minerais e Energia de Moçambique, Alfredo Rapete, assinalou que o país deve contar com um empresariado e mão-de-obra à altura de firmar parcerias com as multinacionais que vão desenvolver os projetos de gás natural no país.

“Os projetos no setor de gás natural em Moçambique impõem que o país conte com a experiência de países que lidam com este setor há muitos anos, como é o caso do Brasil”, declarou Rapete.

O empresariado moçambicano deve assegurar que o desenvolvimento dos projetos de gás natural impulsione o crescimento industrial do país.

“Mais do que as receitas fiscais que advirão do gás natural, é fundamental assegurar a industrialização do país”, frisou.

Alfredo Rapete assinalou que o investimento anunciado há duas semanas pelo consórcio liderado pela companhia norte-americana Anadarko prevê que 2,5 mil milhões de dólares (2,2 mil milhões de euros) serão destinados a bens e serviços a serem prestados pelo empresariado local.

O consórcio da Anadarko vai investir 25 mil milhões de dólares (22 mil milhões de euros) no desenvolvimento de uma fábrica de gás natural na bacia do Rovuma, norte de Moçambique.

PMA // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS