Bebé de 18 meses de Póvoa de Lanhoso já foi encontrado (em atualização)

O bebé de 18 meses desaparecido desde as 20h da noite de ontem, dia 4 de julho, foi encontrado com vida por uma vizinha num terreno próximo da casa de onde desapareceu.

Bebé de 18 meses de Póvoa de Lanhoso já foi encontrado (em atualização)

Bebé de 18 meses de Póvoa de Lanhoso já foi encontrado (em atualização)

O bebé de 18 meses desaparecido desde as 20h da noite de ontem, dia 4 de julho, foi encontrado com vida por uma vizinha num terreno próximo da casa de onde desapareceu.

O bebé de 18 meses desaparecido desde as 20h da noite de ontem, dia 4 de julho, foi encontrado de boa saúde por uma vizinha num terreno próximo da casa de onde desapareceu.

A GNR anunciou pelas 11h10 da manhã de hoje que Iuran foi entregue às autoridades e que está a ser assistido hospital de Braga, sendo a maior prioridade garantir que a criança recupera, após ter estado quase 15 horas sozinha. Levado pelos bombeiros a criança chegou à unidade hospitalar já no colo da mãe.

Segundo Gil Carvalho, coordenador da Polícia Judiciária de Braga, Iuran foi encontrado a 900 metros da habitação onde reside. Gil Carvalho adiantou ainda que o bebé terá andado sem destino até que encontrou uma cancela que o impediu de continuar a vaguear. Apesar de Iuran ter apenas um ano e meio, o coordenador garantiu que “corria e movimentava-se muito bem”, sendo plausível que tenha percorri em 15 horas quase um quilómetro.

O caso está agora nas mãos do Ministério Público, onde será realizada uma investigação para compreender como se deu o desaparecimento do bebé de 18 meses.

Mistério do desaparecimento por desvendar

Iuran desapareceu na passada noite de terça-feira, 4 de julho, na aldeia de Sezedelo, Póvoa de Lanhoso, no distrito de Braga. O alerta foi dado às 21h51 e segundo os pais o bebé Iuran estava a brincar com as irmãs, de 3 e 4 anos, no exterior da habitação no momento em que desapareceu. Alegadamente, os pais, estiveram ainda cerca de uma hora à procura da criança até que decidiram pedir ajuda às autoridades.

De acordo com as declarações dos Bombeiros Voluntários de Póvoa de Lanhoso, o pai da criança garantiu que esteve com o filho minutos antes deste ter desaparecido. O progenitor afirma ter apenas entrado no interior da casa durante uns momentos e que quando regressou a criança já não se encontrava no local.

“As irmãs entraram para dentro da habitação juntamente com o pai, a criança ficou cá fora aqueles segundos/minuto e quando o pai chegou cá fora a criança já não estava ali”, esclareceu o comandante António Veloso.

Buscas numa área de cerca de um quilómetro envolvente à habitação

Bombeiros, militares da GNR e a PJ trabalharam em conjunto e fizeram todos os esforços para encontrar o bebé. As buscas foram interrompidas às 4h da manhã, reiniciaram entre as 7h e as 8h, mas o facto da criança ter estado desaparecida cerca de 15 horas, alarmou todas as forças envolvidas, visto que, de acordo com a família, a criança ainda está a aprender a andar e cai muitas vezes sempre que tenta fazê-lo sozinho.

O comandante dos Bombeiros da Póvoa de Lanhoso,  António Veloso, informou que as buscas decorreram numa área de cerca de um quilómetro “em todas as casas da zona, algumas devolutas, e em toda a área envolvente à habitação, nomeadamente “nas poças para regadio” que existiam na proximidade. No entanto,  o comandante acrescentou, na altura, que se “se entendesse que era “necessário alargar a área de busca, em conjunto com a GNR”, assim se faria.

“Estamos a bater toda a zona que fizemos ontem à noite (terça-feira), estamos a fazer uma segunda passagem, com 17 elementos dos bombeiros e 30 da GNR, nomeadamente duas equipas cinotécnicas”, além da Polícia Judiciária, afirmou António Veloso.

Pais ouvidos na PJ

O pai de Iuran acabou por ser levado de madrugada pela Polícia Judiciária. Após ter sido ouvido durante várias horas, o pai do bebé voltou para casa com a mulher (a mãe do bebé) e as outras duas filhas menores.

O coordenador da Polícia Judiciária de Braga, Gil Carvalho, que tem uma larga experiência em casos de rapto, confirmou que o pai assim como “outras pessoas” estão a ser ouvidas, mas ainda não adiantou qualquer hipótese para o que possa ter acontecido.

Segundo o Correio da Manhã, um vizinho que mora perto da habitação onde desapareceu a criança revelou que a família está referenciada por negligência para com os menores. A mesma fonte afirmou que as crianças ficam várias vezes sozinhas em casa.

O Presidente da Câmara de Póvoa de Lanhoso, Manuel Baptista, confirmou à comunicação social que a família de Iuran está sinalizada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CCPJ) da região e que é acompanhada por uma técnica da Segurança Social.

Durante as buscas, a família, que teve apoio psicológico do INEM desde que as buscas começaram, afirmou estar em choque com a situação e negou-se a acreditar que o bebé tivesse conseguido sair da casa por si próprio.

Impala Instagram


RELACIONADOS