You Can’t Win Charlie Brown celebram dez anos no outono com 13 concertos

Os portugueses You Can’t Win Charlie Brown celebram uma década com uma série de concertos a iniciar a 13 de setembro em Lisboa, revelou a banda.

You Can't Win Charlie Brown celebram dez anos no outono com 13 concertos

You Can’t Win Charlie Brown celebram dez anos no outono com 13 concertos

Os portugueses You Can’t Win Charlie Brown celebram uma década com uma série de concertos a iniciar a 13 de setembro em Lisboa, revelou a banda.

No total, foram marcados 13 concertos por palco nacionais, a começar por Lisboa a 13 de setembro, no Musicbox. No dia seguinte apresentam-se em Guimarães, no âmbito do Suave Fest, e no dia 15 no Salão Brazil, em Coimbra.

A série de atuações de celebração dos dez anos prosseguirá pelo Porto (dia 19), Viseu (dia 20) e Aveiro (dia 21). Em outubro, o grupo estará em Portalegre (dia 04 e dia 12), Évora (dia 05), Faro (dia 11), Torres Vedras (dia 13), Fundão (dia 18) e Leiria (dia 19).

Os You Can’t Win Charlie Brown tornaram-se visíveis em 2009, quando o tema “Sad Song” foi incluído na coletânea de música portuguesa “Novos Talentos FNAC”. Um ano depois lançaram o EP, homónimo, feito quando a banda ainda só era um quarteto.

Só mais tarde é que Tomás Sousa e João Gil se juntam a Afonso Cabral, Salvador Menezes, Luís Costa e David Santos e surgiu a oportunidade de gravar e editar com a chancela independente Pataca Discos.

“Chromatic”, o primeiro álbum, saiu em 2011, ao qual se seguiram “Diffraction/Refraction” (2014) e “Marrow (2016).

Pelo meio ainda fizeram uma versão ao vivo do álbum “The Velvet Underground & Nico”, dos The Velvet Underground, em 2012 em Lisboa, e providenciaram, em 2015, a banda sonora para o filme “Maudite soit la guerre” (1914), de Alfred Machin, num cine-concerto para o Curtas de Vila do Conde.

Dos You Can’t Win Charlie Brown fazem parte atualmente Afonso Cabral, Salvador Menezes, Tomás Sousa, João Gil e David Santos, músicos que participam noutros projetos paralelos ou em nome próprio. Ao vivo contam ainda com o guitarrista Guilherme Canhão.

Afonso Cabral editou este mês o primeiro álbum a solo, “Moradia”, e integra a formação de Bruno Pernadas, Salvador Menezes estreou-se a solo em 2018 com “Novas ocupações”, David Santos é também conhecido como noiserv, Tomás Sousa integra Minta & The Brook Trout e João Gil faz parte dos Diabo na Cruz.

SS // TDI

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS