“Voices” de Max Richter transmitido em 34 países para marcar Dia dos Direitos Humanos

O projeto musical “Voices”, de Max Richter, vai ser transmitido por rádios de 34 países, na quinta-feira, para assinalar o Dia Internacional dos Direitos Humanos, anunciou hoje a União Europeia de Radiodifusão (EBU, na sigla em inglês).

“Voices” de Max Richter transmitido em 34 países para marcar Dia dos Direitos Humanos

O projeto musical “Voices”, de Max Richter, vai ser transmitido por rádios de 34 países, na quinta-feira, para assinalar o Dia Internacional dos Direitos Humanos, anunciou hoje a União Europeia de Radiodifusão (EBU, na sigla em inglês).

A iniciativa, à qual Portugal não está associado, pretende “promover uma mensagem de união através da música com a primeira transmissão radiofónica de ‘Voices’, de Max Richter, que incorpora texto da histórica Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948”.

Segundo comunicado da EBU, esta performance especial, a ser transmitida por 37 canais de rádio em 34 países, é produzida pela BBC Radio 3 e cocriada por Richter e pela sua parceira criativa Yulia Mahr.

O projeto vai ter difusão em países tão distantes como Alemanha, Austrália, Canadá, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Hungria, Itália, entre muitos outros.

A transmissão da BBC Radio 3 vai ser apresentada por Elizabeth Alker e conta com a soprano Grace Davidson, a violinista Viktoria Mullova como solista, a atriz Sheila Atim como narradora, o coro Tenebrae, o ensemble Max Richter, com o próprio compositor nos teclados e eletrónica, sob direção do maestro Robert Ziegler.

“Voices” é constituído por 56 minutos de música para orquestra, coro, eletrónica e para soprano, violino e piano a solo.

“A orquestra é um ensemble radicalmente reimaginado chamado de ‘orquestra negativa’. Uma vez que o mundo foi virado de pernas para o ar, também o foram as proporções desta orquestra. É quase só baixos e violoncelos”, pode ler-se numa descrição da peça publicada no ‘site’ de Richter.

Para além da leitura por um narrador, centenas de outras vozes foram recolhidas pelo mundo fora a ler a Declaração Universal dos Direitos Humanos em dezenas de línguas. “São elas as ‘vozes’ do título”, acrescenta o texto.

“Voices” inspira-se nas primeiras palavras da declaração: “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos”.

A peça demorou uma década a ser criada e teve a sua estreia em fevereiro deste ano, em Londres.

É a segunda vez que Richter se associa à EBU, depois de, na Páscoa, as oito horas de “Sleep” terem sido transmitidas por rádios de 20 países.

TDI // VC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS