Vírus: Quatro companhias aéreas africanas cancelam voos para a China

As companhias aéreas de bandeira do Quénia, Ruanda, Madagáscar e das Ilhas Maurícias suspenderam hoje temporariamente os voos para a China, devido ao surto de pneumonia causada por um novo coronavírus, que causou já 213 mortes.

Vírus: Quatro companhias aéreas africanas cancelam voos para a China

Vírus: Quatro companhias aéreas africanas cancelam voos para a China

As companhias aéreas de bandeira do Quénia, Ruanda, Madagáscar e das Ilhas Maurícias suspenderam hoje temporariamente os voos para a China, devido ao surto de pneumonia causada por um novo coronavírus, que causou já 213 mortes.

Em comunicado, a Kenya Airways anunciou o cancelamento dos seus voos entre Nairobi e a cidade chinesa de Cantão, a capital da província de Guangdong, no sul da China, “até novo aviso”.

A decisão da companhia aérea surge depois de um estudante que deixou Wuhan e chegou na terça-feira num voo daquela companhia aérea ao Aeroporto Internacional Jomo Kenyatta, em Nairóbi, ter sido colocado em quarentena na capital queniana, por suspeita de infeção.

A ministra da Saúde do Quénia, Sicília Kariuki, confirmou hoje que aquele caso suspeito deu negativo.

A RwandAir cancelou também os seus voos para Cantão, depois de a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter declarado na quinta-feira uma emergência internacional, devido ao rápido aumento de pacientes afetados pelo coronavírus fora da China.

O país asiático reportou já quase 10.000 casos e 213 mortos. Além da China e dos territórios chineses de Macau e Hong Kong, há mais de 50 casos confirmados do novo coronavírus em 19 outros países – na Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Taiwan, Singapura, Vietname, Nepal, Malásia, Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Itália, Austrália, Finlândia, Emirados Árabes Unidos, Camboja, Filipinas e Índia.

A Air Madagascar também disse que suspendeu os voos para Cantão até março, enfatizando que “a segurança dos seus passageiros e tripulantes continua a ser a principal prioridade”.

Localizada a cerca de 150 quilómetros de Macau, Cantão é a terceira maior cidade da China.

O consulado português em Cantão aconselhou na quinta-feira os portugueses que vivem no sul da China a saírem do país temporariamente, após várias companhias aéreas terem cancelado ou reduzido voos.

“Dada a propagação do vírus, e no sentido de evitar futuras dificuldades que poderão ocorrer em resultado dos cancelamentos de voos, julga-se oportuno que os cidadãos portugueses na área de jurisdição do Consulado ponderem abandonar a China temporariamente”, afirmou o cônsul em Cantão, André Sobral Cordeiro, numa mensagem partilhada via Wechat, o Whatsapp chinês.

O diplomata português confirmou à Lusa o teor da mensagem, apontando o número crescente de companhias aéreas que estão a cancelar ou a reduzir o número de voos para e a partir da China.

A Air Mauritius cancelou os seus voos para Xangai, a partir de hoje, embora mantenha ligações aéreas a Hong Kong, região semiautónoma chinesa.

A Ethiopian Airlines, a maior companhia aérea de África, disse hoje que, por enquanto, vai continuar a operar os seus voos para a China e que está a trabalhar com as autoridades para proteger passageiros e tripulantes.

Até à data não há registos de infeções na África subsaariana.

JPI // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS