Vírus em Macau. Empregadas domésticas forçadas a ficarem em casa dos patrões sem direito a cama

Associações de trabalhadoras domésticas em Macau denunciaram à Lusa casos de exploração laboral, desde cortes nos salários à obrigação de ficarem em casa dos patrões, desde que foram adotadas medidas excecionais devido ao novo coronavírus.

Vírus em Macau. Empregadas domésticas forçadas a ficarem em casa dos patrões sem direito a cama

Vírus em Macau. Empregadas domésticas forçadas a ficarem em casa dos patrões sem direito a cama

Associações de trabalhadoras domésticas em Macau denunciaram à Lusa casos de exploração laboral, desde cortes nos salários à obrigação de ficarem em casa dos patrões, desde que foram adotadas medidas excecionais devido ao novo coronavírus.

Para além da redução nos vencimentos acordados e da obrigatoriedade de permanecer em casa dos patrões em condições pouco dignas, as empregadas domésticas dão conta de um número crescente de outros casos que configuram exploração laboral, depois de o Governo ter encerrado praticamente todos os espaços comerciais, culturais e desportivos e de ter enviado milhares de trabalhadores e alunos para casa.

A presidente da União Verde dos Trabalhadores Migrantes das Filipinas em Macau adiantou que a organização avançou já com inquéritos junto das trabalhadoras (sobretudo filipinas) para detalhar a natureza das queixas.

A intenção, esclareceu Nedie Taberdo, é de posteriormente, exercer pressão junto das autoridades de Macau, especialmente junto da Direção dos Serviços para os Assuntos Laborais, para protegerem os direitos laborais das trabalhadoras.

Já a presidente da União Progressista dos Trabalhadores Domésticos de Macau, Jassy Santos, acrescentou outros ‘atropelos’ aos direitos das empregadas domésticas: despedimentos, horas extraordinárias sem o respetivo pagamento e o facto de não serem disponibilizadas máscaras ou produtos desinfetantes às trabalhadoras, forçadas a ficar em casa dos patrões sem direito a quarto ou mesmo uma cama.

Macau conta atualmente com nove pessoas infetadas, que, nos próximos dias, podem receber alta, de acordo com as autoridades, que sublinharam já o facto de não terem sido identificados mais casos há cinco dias consecutivos.

As autoridades do antigo território administrado por Portugal adotaram uma série de medidas excecionais, que passaram pelo encerramento de casinos, pelo envio de trabalhadores da função pública para casa e pela suspensão das aulas, obrigando muitas crianças e jovens a permanecerem nos seus lares.

As medidas praticamente paralisaram a economia, com os empregadores privados a enviarem também os trabalhadores para casa, muitos deles a garantirem o trabalho igualmente à distância.

As autoridades chinesas elevaram hoje para 908 mortos e mais 40 mil infetados o balanço do surto de pneumonia na China continental causado pelo novo coronovírus (2019-nCoV) detetado em dezembro, em Wuhan, capital da província de Hubei (centro).

No domingo, segundo dados divulgados pela Comissão Nacional de Saúde da China, foram registadas no território continental chinês 97 mortes e detetados 3.000 novos casos de infeção.

O número total de mortes ascende a 910, contabilizando as duas registadas fora da China continental, uma nas Filipinas e outra em Hong Kong.

O balanço ultrapassa o da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS, na sigla em inglês), que entre 2002 e 2003 causou a morte a 774 pessoas em todo o mundo, a maioria das quais na China, mas a taxa de mortalidade permanece inferior.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há mais de 350 casos de contágio confirmados em 25 países. Na Europa, o número chegou no domingo a 39, com duas novas infeções detetadas em Espanha no Reino Unido.

Uma missão internacional de especialistas da Organização Mundial de Saúde (OMS) partiu no domingo para a China. A OMS, que declarou em 30 de janeiro uma situação de emergência de saúde pública internacional, indicou no sábado que os casos de contágio revelados diariamente na China estão a estabilizar, mas sublinhou que era cedo para concluir que a epidemia atingiu o seu pico.

 

 

LEIA MAIS

Meteorologia: Previsão do tempo para segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Vírus: Macau fecha trilhos, parques e ciclovias e sugere versão desportiva de “sozinhos em casa”

Impala Instagram


RELACIONADOS