Utentes da Linha do Oeste reivindicam passes para Lisboa ao mesmo preço da rodovia

A Comissão de Utentes da Linha do Oeste alertou hoje que os utentes deste serviço ferroviário estão a ser discriminados no Plano de Apoio à Redução Tarifária por continuarem a pagar passes desta região para Lisboa superiores aos da rodovia.

Utentes da Linha do Oeste reivindicam passes para Lisboa ao mesmo preço da rodovia

Utentes da Linha do Oeste reivindicam passes para Lisboa ao mesmo preço da rodovia

A Comissão de Utentes da Linha do Oeste alertou hoje que os utentes deste serviço ferroviário estão a ser discriminados no Plano de Apoio à Redução Tarifária por continuarem a pagar passes desta região para Lisboa superiores aos da rodovia.

“O Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes [PART] não foi aplicado a 100% na Linha do Oeste, porque, nas ligações à Área Metropolitana de Lisboa [AML], só existe um desconto de 30% nos passes e não foi aplicado o passe equivalente ao do autocarro”, afirmou Nuno Clímaco, membro da comissão, em conferência de imprensa, nas Caldas da Rainha, distrito de Leiria.

A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Oeste “tem de concretizar a promessa feita há um ano”, advertiu.

Contactado pela Lusa, Paulo Simões, primeiro secretário da CIMOeste, explicou que, como em janeiro de 2020 o Orçamento do Estado para este ano ainda não estava em vigor e a CP — Comboios de Portugal, sendo uma empresa pública, depende dele, não foi possível uniformizar o valor dos passes na ferrovia.

Por outro lado, acrescentou, a CP está a cobrar à CIMOeste montantes cinco vezes superiores aos negociados para a compensação tarifária, ao “faturar toda a linha”, sem ter em conta o destino dos passageiros, dentro da AML, motivo pelo qual “não chegaram a acordo”.

Apesar de o passe dentro dos concelhos da região Oeste ser mais baixo na ferrovia (30 euros) do que na rodovia (40 euros), para incentivar o uso do transporte ferroviário, o mesmo não se verificou nos passes dos utentes que se deslocam desta região para os concelhos da AML através da Linha do Oeste.

Enquanto na rodovia o passe inter-regional varia entre os 70 ou 80 euros, conforme o concelho de origem, na ferrovia o valor aumenta.

“Um utente de Caldas da Rainha que tire passe para Lisboa paga 80 euros no autocarro e 150 euros na Linha do Oeste”, exemplificou a comissão de utentes.

Os passes entre a região Oeste e a AML, na Linha do Oeste, têm apenas em vigor um desconto de 30%, o que permitiu baixar de 214,25 euros para 150 euros o passe a partir das Caldas da Rainha.

Paulo Simões assegurou que, ainda este ano, CP e CIMOeste vão reunir-se para “avaliar os custos” e “negociar passes iguais aos da rodovia” para 2021.

Mais de cinco mil cidadãos usam todos os dias os transportes para se deslocarem dos vários concelhos da região para Lisboa.

A região Oeste é composta pelos concelhos de Alcobaça, Bombarral, Caldas da Rainha, Nazaré, Óbidos, Peniche, do distrito de Leiria, e por Alenquer, Arruda dos Vinhos, Cadaval, Lourinhã, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, do distrito de Lisboa.

FCC // ROC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS