Universidade de Évora descobre nova espécie de planta na Costa Vicentina

A Universidade de Évora anunciou hoje a descoberta de uma nova planta endémica, “rara e fortemente ameaçada”, que cresce em charcos temporários e está “restringida a nível mundial a pequenas áreas da Costa Vicentina”.

Universidade de Évora descobre nova espécie de planta na Costa Vicentina

Universidade de Évora descobre nova espécie de planta na Costa Vicentina

A Universidade de Évora anunciou hoje a descoberta de uma nova planta endémica, “rara e fortemente ameaçada”, que cresce em charcos temporários e está “restringida a nível mundial a pequenas áreas da Costa Vicentina”.

Designada como ‘Helosciadium milfontinum’, a planta foi descoberta graças a um estudo conjunto entre a Universidade de Évora (UÉ) e botânicos da Universidade de Oviedo, em Espanha, revelou a academia alentejana, segundo um comunicado enviado à Lusa.

Os investigadores demonstraram “claramente que esta nova espécie difere” de outra “previamente identificada”, a ‘Apium repens’, “cuja área de distribuição é mais abrangente no território europeu”.

Através do estudo das características morfológicas e genéticas, a equipa mostrou que se trata “de uma espécie distinta” da que já se encontrava classificada, sublinhou a UÉ, frisando que esta nova planta “encontra-se restringida mundialmente a pequenas áreas da Costa Vicentina”.

Segundo Carla Pinto Cruz, investigadora do MED – Instituto Mediterrâneo para Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento da UE, o conjunto de flores “faz lembrar um pequeno guarda-chuva, semelhante às flores do agrião, que floresce entre julho e agosto e frutifica no início de setembro”.

A nova planta apresenta caules rastejantes, “que enraízam em nós, e as folhas são lobadas e têm as margens dentadas”, acrescentou a investigadora.

Mediante um estudo taxonómico (a ciência que explora, descreve, nomeia e classifica todos os organismos e tem como objetivo a organização da diversidade biológica de exemplares preservados) e recorrendo a amostras existentes em herbários, mas também recolhidas na natureza, “foi possível clarificar a identidade desta planta”, destacou.

Desde o início do século que os cientistas passaram a recorrer a dados moleculares para melhorar a classificação das plantas e a identificação das espécies, tendo sido, precisamente, “através da identificação de pequenas sequências de DNA, próprias de cada espécie”, que foi “possível a descoberta da ‘Helosciadium milfontinum'”, explicou Carla Pinto Cruz.

“Cada espécie de planta é designada por uma combinação exclusiva de duas palavras em latim”, referindo-se a primeira ao “género” e a outra ao epíteto específico, lembrou a UÉ. O mesmo acontece com esta descoberta, em que ‘milfontinum’ é alusivo à área de ocorrência da planta, ou seja, Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira, no distrito de Beja.

A “identificação precisa de cada espécie é essencial, mas também para melhor podermos planear adequadamente os esforços de conservação”, salientou a investigadora e professora do Departamento de Biologia da UÉ.

“Ao percebermos que esta pequena planta está mais isolada geneticamente do que pensávamos, passamos a estar mais conscientes do seu verdadeiro estatuto, da sua importância e do elevado grau de ameaça”, assinalou Carla Pinto Cruz.

Esta planta já foi alvo de alguns esforços de conservação, mas “só tendo um bom conhecimento das espécies, como viemos demonstrar neste estudo”, é que “podemos perspetivar e priorizar adequadamente os esforços de conservação”, defendeu.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS