UE/Presidência: Ministros da Saúde debatem hoje “caminho a seguir” para combater pandemia

Os ministros da Saúde da UE reúnem-se hoje, por videoconferência, para debater o “caminho a seguir” no combate à pandemia de covid-19, numa altura de novas polémicas com a farmacêutica AstraZeneca por atrasos e problemas nas vacinas.

UE/Presidência: Ministros da Saúde debatem hoje

UE/Presidência: Ministros da Saúde debatem hoje “caminho a seguir” para combater pandemia

Os ministros da Saúde da UE reúnem-se hoje, por videoconferência, para debater o “caminho a seguir” no combate à pandemia de covid-19, numa altura de novas polémicas com a farmacêutica AstraZeneca por atrasos e problemas nas vacinas.

Presidida pela presidência portuguesa do Conselho da UE, esta reunião virtual servirá para discutir o “caminho a seguir” no combate à covid-19, perante a “preocupante propagação do vírus nos países da UE”, segundo a agenda do encontro.

Caberá aos responsáveis pela pasta da Saúde nos Estados-membros trocar “opiniões sobre a abordagem na resposta à covid-19, centrando-se na utilização de medidas de saúde pública tais como o uso universal de máscaras faciais e os requisitos sobre testes para mobilidade dentro da UE”, indica o mesmo documento.

Nesta reunião por videoconferência presidida pela ministra portuguesa da Saúde, Marta Temido, em representação da presidência portuguesa da UE, participarão as diretoras do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC, na sigla inglesa), Andrea Ammon, e da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), Emer Cooke.

Enquanto Andrea Ammon fará um balanço sobre a situação epidemiológica atual na UE, caberá a Emer Cooke informar os ministros sobre o ponto da situação da autorização e desenvolvimento das vacinas contra a covid-19.

De momento, são já quatro as vacinas aprovadas pela EMA: BioNTech/Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Janssen (grupo Johnson & Johnson).

Este encontro virtual decorre numa altura em que vários países suspenderam o uso da vacina da AstraZeneca – como Holanda, Irlanda e Noruega (faz parte do Espaço Económico Europeu) -, devido à formação de coágulos sanguíneos em alguns dos vacinados, embora a Universidade de Oxford tenha vindo garantir na segunda-feira a segurança do fármaco.

Em Portugal, a Direção-Geral de Saúde e o Infarmed afirmaram no domingo que a vacina da AstraZeneca pode continuar a ser administrada e frisaram que não há evidência de ligação com os casos tromboembólicos registados noutros países.

Além destes efeitos secundários, a AstraZeneca tem estado na ‘mira’ da Comissão Europeia por demoras na entrega de vacinas à UE e, no sábado passado, anunciou novos atrasos, invocando problemas na produção devido às restrições impostas à exportação.

A Comissão Europeia, que negociou os contratos em nome dos 27 Estados-membros, estava a contar com um aumento das entregas por parte das farmacêuticas no segundo trimestre deste ano.

ANE (SO/HN) // MDR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS