Traficante contrata prostituta e mata-a na cela para evitar extradição

Marcelo Piloto foi expulso do Paraguai após a tentativa frustrada de evitar extradição. O traficante matou à facada uma prostituta de 19 anos.

Traficante contrata prostituta e mata-a na cela para evitar extradição

Traficante contrata prostituta e mata-a na cela para evitar extradição

Marcelo Piloto foi expulso do Paraguai após a tentativa frustrada de evitar extradição. O traficante matou à facada uma prostituta de 19 anos.

O traficante brasileiro Marcelo Pinheiro Veiga, conhecido por Marcelo Piloto, matou uma jovem paraguaia de 19 anos na cela numa tentativa de evitar a extradição para o seu país.

Piloto residia no Paraguai desde 2012, tendo fugido do Brasil após a ocupação da favela de Manguinhos, no Rio de Janeiro,  por parte da Unidade de Polícia Pacificadora.

No dia 13 de dezembro de 2018, o traficante foi preso numa operação conjunta entre a Secretaria de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança (SESEG) do Rio de Janeiro, a Polícia Federal do Brasil e órgãos policiais do Paraguai. Três dias depois do cárcere de Marcelo Veiga, a SESEG pediu a extradição do traficante.

LEIA MAIS: Daniel Correa poderá ter sido castrado ainda vivo

No longo cadastro de ‘Piloto’,  constam crimes de homicídio, tráfico de droga, latrocínio e roubos.  Para as autoridades brasileiras, o arguido enviava armas, drogas e munições desde o Paraguai para abastecer favelas do Rio de Janeiro dominadas pelo Comando Vermelho.

Tentativas de fuga falhadas e novo plano

Logo após a sua detenção, Marcelo Piloto começou a planear a sua fuga da prisão paraguaia, tendo visto as autoridades negarem pelo menos seis tentativas de fuga.

Depois do insucesso com os planos de fuga, o traficante mudou de plano e assassinou Lidia Meza Burgos, de 19 anos. A jovem era uma prostituta que, com a conivência dos guardas prisionais, entrou no quartel policial e, após terem feito sexo, Marcelo assassinou Lidia com 16 facadas.

LEIA MAIS: Pais de Maddie consideram nova pista «um insulto» e «rídicula»

Com este assassinato, Marcelo tentava evitar a extradição para uma prisão brasileira, uma vez que tem a sua cabeça a prémio por uma facção rival do Comando Vermelho. O criminoso concluiu que esta seria a melhor forma de continuar detido durante muitos anos no Paraguai, continuando a cumprir pena na prisão ‘de luxo’ onde se encontrava.

Traficante de volta ao Brasil

Chocado com a frieza do crime, o Presidente da República do Paraguai, Mário Bénitez, expulsou-o do país e trocou o comando da Polícia Nacional por ter indirectamente ajudado no homicídio da jovem.

Piloto está agora detido em isolamento num estabelecimento prisional de alta segurança do Paraná.

 

Texto: Vítor Miguel Gonçalves | WIN

Impala Instagram


RELACIONADOS