Terceiro dia do festival Paredes de Coura marcado por nomes fortes do ‘indie’

Father John Misty, Spiritualized, Deerhunter e Connan Mockasin são alguns nomes fortes deste terceiro dia do festival Paredes de Coura, que conta ainda com Jonathan Wilson, Black Midi e os portugueses First Breath After Coma.

Terceiro dia do festival Paredes de Coura marcado por nomes fortes do 'indie'

Terceiro dia do festival Paredes de Coura marcado por nomes fortes do ‘indie’

Father John Misty, Spiritualized, Deerhunter e Connan Mockasin são alguns nomes fortes deste terceiro dia do festival Paredes de Coura, que conta ainda com Jonathan Wilson, Black Midi e os portugueses First Breath After Coma.

O regresso de Josh Tillman às margens do rio Coura é o prato forte do dia, agendado para as 00:45, já depois de Spiritualized, Deerhunter, Jonathan Wilson e First Breath After Coma terem atuado no palco principal, sendo que a abertura do dia fica a cargo dos espanhóis Derby Motoreta’s Burrito Kachimba.

O conjunto sevilhano — com apenas um ano de formação — estreia-se em terras lusas e chega com a promessa de ser a “próxima grande banda espanhola”, segundo o diário El País, tendo conquistado a crítica com a sua ‘kinkidelia’ e atuações ao vivo, prometendo animar o público ao som do seu álbum homónimo, às 17:45.

Os leirienses First Breath After Coma abrem o palco principal, às 18:15, levando o seu novo trabalho “NU”, lançado em março, ao cenário verde de Paredes de Coura, o terceiro álbum de originais acompanhado de uma obra visual, com curtas-metragens idealizadas e filmadas pelo grupo, numa narrativa que se interliga com a lírica do registo.

Depois de tocarem em digressão com os Editors, em 2013, os Balthazar regressam a Portugal com o novo “Fever”, lançado em janeiro, o resultado de uma pausa de quatro anos devido a projetos individuais, trazendo as novas canções dos belgas uma onda mais ‘funk’ e melódica.

Segue-se o produtor e músico Jonathan Wilson, pela primeira vez em nome próprio em Portugal — tendo sido guitarrista na ’tour’ de Roger Waters –, que apresenta, às 19:25, o seu quarto disco “Rare Birds”, de 2018, no qual teve a colaboração de Lana del Rey e Father John Misty, a quem já produziu três álbuns.

No palco secundário e também a estrearem-se por terras portuguesas, sobem os enigmáticos londrinos Black Midi, às 20:30, na antena do ‘underground’ desde 2016, graças às suas atuações explosivas, mas apenas este ano lançaram “Schlagenheim”, o primeiro longa-duração do quarteto inglês em rápida ascensão.

O ‘indie’ experimental dos Deerhunter está de regresso à Praia Fluvial do Taboão, às 21:10, desta vez para apresentar “Why Hasn’t Everything Already Disappeared?”, deste janeiro, um trabalho aclamado pela crítica, assim como o artista que os segue, uma hora depois, no palco secundário.

Connan Mockasin é o alter-ego de Connan Hosford, surgindo pelo ano de 2011, depois de o ‘frontman’ se ter desvinculado da banda Connan & the Mockasins, para formar um projeto a solo, de forma a poder expressar-se sem barreiras. Desde então, lançou Forever Dolphin Love (2011), Caramel (2013) e o mais recente Jassbusters, de 2018, todos eles sucessos com a crítica e o público ‘indie’ e ‘soft rock’.

Segue-se o ‘space rock’ e ‘shoegaze’ dos Spiritualized que, depois de seis anos de hiato devido a problemas de saúde do membro fundador, Jason Pierce, voltaram ao estúdio para gravar o tão aguardado oitavo álbum “And Nothing Hurt”, de 2018, que a revista britânica New Musical Express (NME) classificou como “frágil, improvavelmente bonita ode à vida em si”.

A fechar o palco principal, Father John Misty regressa ao festival depois de uma das melhores atuações na edição de 2015, e a Portugal depois de ter atuado no Primavera Sound, ainda o ano passado, na apresentação ao público português de “God’s Favorite Customer”, lançado em 2018, que sucedeu “Pure Comedy”, de 2017.

Apesar de não haver confirmação de um novo álbum, o alter-ego de Josh Tillman tem estreado novas canções na ’tour’ como “Tell It Like It Is” ou “Time Makes a Fool of Us”, podendo ainda chamar ao palco o seu ‘braço direito’ Jonathan Wilson.

No palco ‘after hours’, espaço para os Peaking Lights, a partir das 02:00. O duo natural de São Francisco combina elementos de dub, krautrock, disco e ‘pop’ psicadélico e assinalou o décimo aniversário com o lançamento do EP Sea of Sand (2018), procurando celebrar essa data com o público de Paredes de Coura.

A fechar a noite, as sonoridades disco e psicadélicas do ‘dj set’ do londrino Romare, a partir das 03:00, que nos dois álbuns “Projections”, de 2015, e “Love Songs: Part Two”, de 2016, ganhou reconhecimento por misturar diferentes estilos de música e instrumentos musicais.

O festival Paredes de Coura encerra no sábado com nomes como Suede, Patti Smith, Freddie Gibbs e Madlib ou Kamaal Williams, assim como os portugueses Sensible Soccers, Ganso e Time for T.

AXYG // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS