Tecnologia do projeto “Traction” permite antever na Gulbenkian inédito da “Ópera na Prisão”

O programa de inserção social pelas artes “Ópera na Prisão” apresenta, em 02 e 03 de junho, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, uma amostra do novo projeto “Traction”, juntando, através da tecnologia, solistas profissionais e reclusos, anunciou a organização.

Tecnologia do projeto

Tecnologia do projeto “Traction” permite antever na Gulbenkian inédito da “Ópera na Prisão”

O programa de inserção social pelas artes “Ópera na Prisão” apresenta, em 02 e 03 de junho, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, uma amostra do novo projeto “Traction”, juntando, através da tecnologia, solistas profissionais e reclusos, anunciou a organização.

No Auditório 2 da Gulbenkian vão encontrar-se, presencial e virtualmente, Carla Simões (soprano), Cátia Moreso (meio-soprano) e André Henriques (baixo-barítono), reclusos do Estabelecimento Prisional de Leiria – Jovens (EPLJ) e seus familiares a partir de casa, além de intervenientes noutros pontos do mundo.

Segundo a Sociedade Artística Musical dos Pousos (SAMP), de Leiria, esse encontro será possível recorrendo às ferramentas desenvolvidas para “Traction”: utilizando as valências do Pavilhão Mozart, criado na antiga tanoaria da prisão, com “as mais avançadas tecnologias de realidade virtual aumentada”, é possível “aliar a ópera à tecnologia digital”.

A ópera completa será apresentada apenas em junho de 2022, recebendo agora a Gulbenkian a cena “Nós. Vocês. Toda a gente”, uma parte do trabalho já realizado.

Trata-se de uma ópera original, assinada pelos compositores Francisco Fontes, Nuno da Rocha e Pedro Lima, com ‘libreto’ do escritor Paulo Kellerman, desenvolvida a partir de encontros com a comunidade do EPLJ.

Nos dias 02 e 03 de junho, será exibida uma amostra desse, na Gulbenkian, constituindo um “primeiro momento de partilha do processo criativo” em que “todos [são] convidados a cantar, sugerir ideias, comentar”, avança a SAMP.

A intenção é fomentar o “diálogo com os jovens reclusos e suas famílias”, para “tecer a ópera final de 2022”.

Este novo desafio de “Ópera na Prisão” promove a democratização da ópera usando a tecnologia como meio para chegar a novos públicos, fornecendo novas ferramentas para a arte participativa.

O consórcio internacional criado para concretizar “Traction” é liderado pela empresa tecnológica Vicomtech, do País Basco, Espanha, e envolve a SAMP em Portugal.

Participam ainda o Gran Teatre del Liceu de Barcelona e a Irish Nacional Opera, na Irlanda, entre outros parceiros internacionais. 

 

MLE // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS