Teatro da Terra retoma atividade no sábado com espetáculo de cante e teatro

O Teatro da Terra retoma a sua atividade no sábado, durante a Festa do Avante!, no Seixal, no distrito de Setúbal, com o espetáculo “A Abetarda”, que combina Cante Alentejano e teatro de rua.

Teatro da Terra retoma atividade no sábado com espetáculo de cante e teatro

Teatro da Terra retoma atividade no sábado com espetáculo de cante e teatro

O Teatro da Terra retoma a sua atividade no sábado, durante a Festa do Avante!, no Seixal, no distrito de Setúbal, com o espetáculo “A Abetarda”, que combina Cante Alentejano e teatro de rua.

A peça é encenada por Maria João Luís e tem um “elenco alargado onde os Tocá Rufar e seis grupos corais alentejanos, sediados no Seixal, partilham as ruas e os traços característicos da cultura popular”, adiantou a companhia, em comunicado. 

No entanto, explicou, este espetáculo faz uma remontagem de um projeto que o teatro coproduziu com o Município de Castro Verde, em 2014, quando encomendaram ao autor João Monge um texto que juntasse o Cante Alentejano ao teatro de rua, para celebrar o símbolo daquele concelho, no distrito de Beja.

Desta vez, “A Abetarda” realiza-se no concelho do Seixal, com a participação de Maria João Luís, Filipe Gomes e Sério Gomes, mas reafirma-se “como um projeto de teatro comunitário de características únicas”, segundo o Teatro da Terra.

A primeira exibição da peça no Seixal acontece já no sábado, pelas 21:30, no Avanteatro da Festa do Avante, na freguesia da Amora, simbolizando também o reinício da atividade desta companhia.

A partir daqui o espetáculo será realizado em mais quatro sessões entre 12 de setembro e 03 de outubro, na Mundet, no Moinho da Maré de Corroios, no Parque das Lagoas, em Fernão Ferro, e no Parque Natural da Quinta do Serrado, na Amora.

Em 26 de setembro, pelas 21:30, o Teatro da Terra vai até ao concelho da Moita, no distrito de Setúbal, com a peça “Ermelinda do Rio”, um monólogo estreado por Maria João Luís em Ponte de Sor, no ano passado, no qual recorda as cheias do Tejo, em 1967, que devastaram povoações da Lezíria e os arredores da Grande Lisboa, constituindo a maior catástrofe natural em Portugal desde o terramoto de 1755.

Em janeiro do próximo ano, a companhia vai estrear “A Mulher que Matou os Peixes”, uma peça encenada por Maria João Luís a partir do livro homónimo de Clarice Lispector, com a participação de Ana Amaral, Beatriz Frazão, Filipe Gomes e Paulo Duarte Ribeiro.

O Teatro da Terra é uma cooperativa de responsabilidade limitada, sem fins lucrativos, fundado em 2009 por Maria João Luís e Pedro Domingos, com sede no Fórum Cultural do Seixal.

 

DYBS // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS