Suspensão das obras na barragem do Alto Tâmega faz 90 desempregados

A suspensão das obras na barragem do Alto Tâmega deixa no desemprego cerca de 90 pessoas da região.

Suspensão das obras na barragem do Alto Tâmega faz 90 desempregados

Suspensão das obras na barragem do Alto Tâmega faz 90 desempregados

A suspensão das obras na barragem do Alto Tâmega deixa no desemprego cerca de 90 pessoas da região.

A suspensão das obras na barragem do Alto Tâmega deixa no desemprego cerca de 90 pessoas da região, algumas das quais esperam regressar depois de retomados os trabalhos e de garantidas “todas as condições de segurança”. A Iberdrola informou que “foram parcialmente suspensas” as obras do aproveitamento hidroelétrico de Alto Tâmega em março, após ter “identificado condições geológicas no local não previstas durante a fase de estudo”.

LEIA DEPOIS
EasyJet condenada a pagar coima de 125 mil euros por recusar indemnização de 250 a passageira

Trabalhadores da barragem mandados para casa a receberem 75% do ordenado. Seguiu-se o despedimento

Eduardo Cunha, de 64 anos, residente em Cerva, Ribeira de Pena, era pedreiro na barragem do Alto Tâmega, contratado pelo Agrupamento Complementar de Empresas (ACE), que junta a Mota-Engil, a Acciona e a Edivisa, responsável pela construção deste empreendimento. Aos jornalistas, o operário contou que aproveitou a oportunidade de trabalho que surgiu neste território, onde as alternativas são “escassas”, tendo desempenhado funções de pedreiro durante 14 meses. Eduardo Cunha revelou ainda que, após o problema que foi detetado na obra, os trabalhadores foram mandados para casa a ganhar “75% do ordenado” e em agosto foi despedido. “A única resposta que recebemos foi que o ACE já não ia fazer a obra e foi por isso que fomos despedidos”, acrescentou o também pedreiro Orlando Barroso, de 52 anos, natural de Carvalhelhos (Boticas).

Iberdrola rescindiu contrato com consórcio

A Iberdrola acabou por rescindir o contrato com o consórcio, em setembro, alegando “divergências relacionadas com incumprimentos e atrasos não relacionados com a suspensão de trabalhos”. Os operários falavam à comunicação social numa conferência de imprensa promovida pelo Sindicato da Construção de Portugal, que se realizou nas proximidades do local onde está a ser construída a barragem, em Vila Pouca de Aguiar, distrito de Vila Real.

Os dois aproveitaram para recordar as condições de trabalho que vivenciaram na obra. “Num trabalho destes nunca andamos seguros”, contou Eduardo Cunha. No local, ocorreu um movimento da encosta direita acima da futura central hidroelétrica, onde posteriormente se verificou uma derrocada. Orlando Barroso reforçou a ideia do colega e afirmou que “não havia condições de segurança. Para mim os maiores culpados são os geólogos, porque não estudaram bem os solos, que estavam podres, abriam brechas todos os dias, uma pessoa sentia-se insegura”, salientou.

Energética espanhola conta com o apoio de projetistas de reconhecido prestígio

A este propósito, o presidente do sindicato, Albano Ribeiro, defende que a obra só poderá ser retomada depois de criada uma “comissão composta pela Iberdrola, pelo sindicato, pela associação empresarial do setor, pela Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), mas com inspetores qualificados, e pelo Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG)”. “Desde o primeiro momento, a Iberdrola conta com o apoio de projetistas de reconhecido prestígio para o desenvolvimento das obras”, refere a energética espanhola.

O SET é um dos maiores projetos hidroelétricos realizados na Europa nos últimos 25 anos, com 1.500 milhões de euros de investimento e a criação de 13.500 empregos diretos e indiretos. Atualmente, segundo a Iberdrola, trabalham no SET cerca de 1.800 pessoas, das quais perto de 370 são dos municípios da região.

LEIA MAIS
Previsão do tempo para esta sexta-feira, 4 de outubro
Quatro polícias mortos em ataque a sede da polícia de Paris

 

Impala Instagram


RELACIONADOS