Surto repentino de Monkeypox em 30 países sugere que transmissão decorre há algum tempo

O surto de infeções pelo vírus Monkeypox em 30 países não endémicos sugere que os contágios estão a ocorrer há algum tempo, reconheceu hoje a Organização Mundial da Saúde, instando as autoridades nacionais a expandirem a vigilância.

Surto repentino de Monkeypox em 30 países sugere que transmissão decorre há algum tempo

Surto repentino de Monkeypox em 30 países sugere que transmissão decorre há algum tempo

O surto de infeções pelo vírus Monkeypox em 30 países não endémicos sugere que os contágios estão a ocorrer há algum tempo, reconheceu hoje a Organização Mundial da Saúde, instando as autoridades nacionais a expandirem a vigilância.

O surto de infeções pelo vírus Monkeypox em 30 países não endémicos sugere que os contágios estão a ocorrer há algum tempo, reconheceu hoje a Organização Mundial da Saúde, instando as autoridades nacionais a expandirem a vigilância. “O aparecimento repentino da Monkeypox em diferentes países ao mesmo tempo sugere que a transmissão [do vírus] não foi detetada por algum tempo”, referiu o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) em conferência de imprensa.

Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, mais de 550 casos confirmados em 30 países onde a doença não é endémica foram já reportados à OMS, no âmbito do surto que teve início há cerca de um mês com casos de infeção pelo Monkeypox na Europa, incluindo Portugal, na América do Norte e no Médio Oriente. “A OMS insta os países afetados a expandirem a sua vigilância e a rastrearem casos nas suas comunidades mais vastas”, salientou o diretor-geral da organização, alertando que qualquer pessoa pode ficar infetada com o vírus em caso de contacto próximo com uma pessoa doente.

Trabalhadores do Hospital de Vila Franca de Xira em greve exigem adesão à contratação coletiva
Dezenas de trabalhadores do Hospital de Vila Franca de Xira, a cumprir uma greve de 24 horas, concentraram-se hoje à entrada daquela unidade de saúde para exigirem a adesão à contratação coletiva e semana de trabalho de 35 horas (…continue a ler aqui)

Na conferência de imprensa, a responsável técnica para a Monkeypox, Rosamund Lewis, admitiu que o surgimento de infeções fora de África foi uma surpresa, embora a OMS esteja a acompanhar a doença há mais de 15 anos no continente africano, onde milhares de casos e mortes se verificam todos os anos.

Segundo a OMS, África registou este ano 70 mortes por infeção pelo vírus Monkeypox. “Não é uma doença desconhecida, mas é verdade que, no novo contexto em que se está a espalhar, é algo novo”, reconheceu Rosamund Lewis. Entre os cenários que estão a ser estudados sobre o surgimento do atual surto, consta a possibilidade de a imunidade de grupo que foi alcançada no início da década de 1980, quando a varíola foi erradicada, ter diminuído.

Portugal registou mais 19 casos confirmados de infeção com o vírus Monkeypox, totalizando até agora 119 situações de homens infetados que se encontram clinicamente estáveis, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Esta é a primeira vez que um surto do vírus VMPX é detetado em Portugal

Segundo o departamento liderado por Graça Freitas, a maioria das infeções confirmadas pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge foram notificadas em Lisboa e Vale do Tejo, mas também há registo de casos nas regiões Norte e Algarve. “Todas as infeções confirmadas são em homens entre os 20 e os 61 anos, tendo a maioria menos de 40 anos”, avança ainda a DGS, adiantando que os casos identificados se mantêm “em acompanhamento clínico, encontrando-se estáveis”.

Na terça-feira, a DGS publicou uma orientação que define a abordagem clínica e epidemiológica dos casos de infeção humana por vírus Monkeypox, prevendo que as situações suspeitas sejam referenciadas rapidamente para observação médica e que os contactos assintomáticos podem continuar a manter as suas rotinas diárias, não necessitando de isolamento. Esta é a primeira vez que um surto do vírus VMPX é detetado em Portugal, num contexto de ocorrência de casos a serem reportados por vários países desde o início de maio.

O período de incubação varia entre cinco e os 21 dias, sendo em média de seis a 16 dias e os sintomas iniciam-se com febre, cefaleia, astenia, mialgia ou adenomegalias, aos quais se segue o aparecimento do exantema (erupção cutânea).

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS