STOP prolonga greve até 31 de outubro para exigir retirada de amianto das escolas

O Sindicato de Todos os Professores (STOP) decidiu prolongar até ao fim dos mês a greve destinada a exigir a retirada de materiais com amianto das escolas, disse hoje agência Lusa o dirigente sindical André Pestana.

STOP prolonga greve até 31 de outubro para exigir retirada de amianto das escolas

STOP prolonga greve até 31 de outubro para exigir retirada de amianto das escolas

O Sindicato de Todos os Professores (STOP) decidiu prolongar até ao fim dos mês a greve destinada a exigir a retirada de materiais com amianto das escolas, disse hoje agência Lusa o dirigente sindical André Pestana.

“Sete escolas fecharam em adesão a esta greve e muitas outras aderiram de forma parcial”, disse o responsável sindical, fazendo um balanço “claramente positivo” da iniciativa.

André Pestana sublinhou que esta foi a primeira greve realizada depois da revisão de estatutos do sindicato, que agora abrange “todos os profissionais de educação”, de funcionários a psicólogos, além dos docentes.

“Temos recebido muitas solicitações para fazer reuniões em escolas”, afirmou André Pestana, explicando que fica ao critério dos profissionais de cada estabelecimento “a forma como vão organizar a sua luta”.

Assim, há escolas que fecham um dia inteiro, enquanto outras encerram durante um turno ou aproveitam o pré-aviso para realizarem manifestações e outras ações de protesto.

André Pestana criticou os sucessivos governos por não terem cumprido os planos para a retirada de materiais contendo amianto, nomeadamente em coberturas.

Do Ministério da Educação aguarda resposta a vários pedidos de reunião. “Há uma clara discriminação política”, lamentou.

O STOP começou por entregar um pré-aviso de greve para 15 dias, período que hoje termina, com uma renovação até 31 de outubro.

De acordo com o STOP, há cerca de 100 escolas onde o amianto continua a ser um problema para alunos, professores, funcionários e pessoas que vivem nas proximidades.

Muitos desses estabelecimentos foram alvo de intervenções para a retirada dessa substância, considerada cancerígena, mas o trabalho de remoção foi mal feito, segundo o porta-voz do sindicato.

O STOP exige a retirada do amianto das escolas, lembrando que “põe em perigo diariamente milhares de crianças, encarregados de educação e profissionais de educação”.

AH (SIM) // HB

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS