Seniores de Reguengos de Monsaraz ‘brilham’ em exposição de retratos

Cerca de 50 seniores de Reguengos de Monsaraz, distrito de Évora, são as “estrelas” de uma exposição de retratos, a inaugurar neste concelho alentejano, integrada num projeto criativo e de inclusão, foi hoje divulgado.

Seniores de Reguengos de Monsaraz 'brilham' em exposição de retratos

Seniores de Reguengos de Monsaraz ‘brilham’ em exposição de retratos

Cerca de 50 seniores de Reguengos de Monsaraz, distrito de Évora, são as “estrelas” de uma exposição de retratos, a inaugurar neste concelho alentejano, integrada num projeto criativo e de inclusão, foi hoje divulgado.

Intitulada “Retratos de Reguengos”, a mostra, com fotografias da autoria de José Miguel Soares, vai ser inaugurada, no sábado, às 11:00, na Galeria de Arte da Igreja de Santiago, em Monsaraz, neste concelho alentejano.

Esta exposição, que fica patente até 23 de janeiro, é promovida pela Malvada Associação Artística e está integrada no projeto “Topofilias”, que também foi realizado nos concelhos de Alandroal, Borba, Estremoz e Évora.

Em Reguengos de Monsaraz, adiantou a Malvada, o “processo criativo e de inclusão com seniores” decorreu, para além da sede de concelho, em Barrada, Monsaraz, São Pedro do Corval, Santo António do Baldio, Telheiro e Motrinos.

A par dos registos fotográficos e dos retratos feitos no espaço público, nas casas dos habitantes ou nos seus locais de trabalho, foram também realizadas sessões de estúdio em lugares como a praia, o pavilhão gimnodesportivo e jardins.

Segundo os promotores, devido à pandemia de covid-19, os grupos de seniores que participaram na iniciativa viram as suas “atividades interrompidas” e a “socialização constrangida”, durante “um longo período”.

“A realização destas sessões de partilha, de mapeamento e de retrato marcou, em muitos casos, o retomar das atividades e o encontro entre membros de um grupo, vizinhos e familiares”, adiantou.

Durante o processo, foi desenvolvido com os participantes “o exercício da memória”, no qual se “incentivou o ato de recordar e de estabelecer conexões, a aproximação e a partilha através da fotografia”, realçou a Malvada.

Iniciado em julho 2020, o projeto “Topofilias” está incluído no Transforma – Programa para uma Cultura Inclusiva do Alentejo Central, promovido pela Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC) e apoiado pelas câmaras municipais.

Com criação e direção artística de Ana Luena e José Miguel Soares, o projeto “envolve a população excluída por envelhecimento e isolamento e tem como foco o espaço e o lugar praticado e vivido, como forma de recuperar e produzir memória”.

“Explora-se o conceito de topofilia, o elo afetivo entre a pessoa e o lugar ou o meio ambiente, uma associação que promove a ideia de pertença e de identidade cultural”, acrescentou.

Esta é a segunda de cinco exposições fotográficas do “Topofilias” a ser inaugurada, depois da abertura de uma mostra do projeto em Borba.

As restantes vão ser apresentadas, até dezembro deste ano, nos respetivos concelhos.

SM // RRL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS