Este medicamento para esclerose múltipla pode não ser seguro

o Infarmed informou hoje que a segurança do medicamento Lemtrada, para a esclerose múltipla surto-remissão, está a ser revista e avisou que durante este trabalho o fármaco só deve ser iniciado em adultos com a doença muito ativa.

Este medicamento para esclerose múltipla pode não ser seguro

Este medicamento para esclerose múltipla pode não ser seguro

o Infarmed informou hoje que a segurança do medicamento Lemtrada, para a esclerose múltipla surto-remissão, está a ser revista e avisou que durante este trabalho o fármaco só deve ser iniciado em adultos com a doença muito ativa.

O Infarmed informou hoje que a segurança do medicamento Lemtrada, para a esclerose múltipla surto-remissão, está a ser revista e avisou que durante este trabalho o fármaco só deve ser iniciado em adultos com a doença muito ativa.

Numa informação publicada no seu ‘site’, a Autoridade do Medicamento diz ainda que a revisão de segurança deste fármaco foi iniciada pela Agência Europeia do Medicamento após notificação de novos casos de doenças imunitárias, cardíacas e circulatórias, alguns dos quais fatais.

Enquanto durar esta revisão de segurança, o Infarmed aconselha a que o Lemtrada (alemtuzumab) apenas seja iniciado em adultos com esclerose múltipla surto-remissão muito ativa e que já tenham sido previamente tratados com pelo menos duas terapêuticas modificadoras da doença ou em casos em que não possam ser usados outros medicamentos.

A esclerose múltipla surto-remissão é uma doença que afeta o sistema nervoso central, na qual a inflamação destrói a bainha protetora que envolve as células nervosas.

A indicação ‘surto-remissão’ significa que o doente tem exacerbações dos sintomas (surtos), seguidas por períodos de recuperação (remissões).

LEIA MAIS

Madeira | Quatro feridos em estado crítico

Governo decreta três dias de luto nacional em memória das vítimas na Madeira

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS