Rosa Grilo: «Ele esteve com a cabeça no meu colo mais de 10 minutos e deram-lhe outro tiro»

Na prisão, Rosa Grilo nega ter matado o marido e culpa «uns angolanos». A mulher do triatleta diz ainda que este esteve 10 minutos com a cabeça no seu colo antes de morrer

E se foram “uns angolanos” a matar Luís Grilo? Já teria questionado a viúva do triatleta numa das versões que apresentou desde que foi detida.

Depois da versão do desaparecimento durante um treino, e ainda na qualidade de testemunha, Rosa Grilo, de 43 anos terá colocado a hipótese de o marido ter um caso extraconjugal, falando até numa mulher de etnia cigana que viveria perto do local onde foi encontrado o corpo.

LEIA MAIS: Mulher de Luís Grilo culpa «uns angolanos» pela morte do triatleta

Mas agora, e segundo a irmã de Luís Grilo que foi visitar a suspeita à prisão, Rosa conta agora uma versão detalhada do episódio da procura dos diamantes.

Ao programa Linha Aberta, conduzido por Hernâni Carvalho  Júlia Grilo, irmã de Luís Grilo, que o criou como filho, conta o que lhe disse Rosa quando esta a visitou a assassina na prisão na passada quarta-feira, dia 3.

LEIA MAIS: Amante de Rosa Grilo estava divorciado há dois anos

«Ela está um bocadinho em baixo, não se pode dizer que está a Rosa altiva que nós conhecemos». começa por contar Júlia.

«Diz que não foi ela. Diz que foram dois angolanos e um branco e que foi por causa de diamantes», relata Júlia, afirmando não acreditar nesta versão.

Estas pessoas, a quem Rosa acusa de serem os assassinos, seriam clientes da empresa informática do casal.

LEIA MAIS: Mulher de triatleta poderá ter de pagar uma indemnização ao próprio filho

Rosa Grilo disse à irmã do marido que inventou a versão do desaparecimento e do treino «por medo». «Medo dessas duas pessoas negras e uma branca que mataram o meu Luís», relata Júlia.

«Sinceramente, quem tem diamantes, não anda como eles andavam. Era sempre chapa ganha, chapa gasta», diz Júlia, sobre o estilo de vida que e levavam Rosa e Luís Grilo.

Júlia recorda duas viagens feitas por Luís (a quem trata por filho) a Angola, mas volta a frisar não acreditar na versão de Rosa. Estas viagens foram feitas há cerca de 9 anos.

Segundo a mulher do triatleta, esta estaria em casa quando os homens lá entraram para «pedir os diamantes». Rosa terá dito que não os tinha e que estes estariam em Benavila. O corpo do triatleta foi encontrado  apenas 17 quilómetros de Benavila, terra onde vivem familiares da suspeita e onde ela e o marido passavam fins de semana regulares, numa casa de família.

«Foram lá, e que não estava lá nada, e quando vieram, diz que amarraram a ela, amarraram o Luís, e que apontaram uma arma à cabeça dela. E que depois apontaram a arma à cabeça do Luís e deram-lhe um tiro»

Estando já provado que a arma que terá disparado o tiro mortal pertence a António Joaquim, o amante, a versão de Rosa encontra aqui uma falha. Mas Rosa disse a Júlia que a arma não era dele.

«E depois disse que ele não levou um tiro mas sim dois. «Ele esteve com a cabeça no meu colo mais de 10 minutos e deram-lhe outro tiro», terá dito Rosa.

Rosa Grilo continua a aguardar julgamento na prisão de Tires. Já terá recebido, para além da visita de Júlia Grilo, duas visitas do pai, Américo.

 

 

 

 


RELACIONADOS

Rosa Grilo: «Ele esteve com a cabeça no meu colo mais de 10 minutos e deram-lhe outro tiro»

Na prisão, Rosa Grilo nega ter matado o marido e culpa «uns angolanos». A mulher do triatleta diz ainda que este esteve 10 minutos com a cabeça no seu colo antes de morrer