Regulador moçambicano adverte escolas de condução por impedirem concorrência

A Autoridade Reguladora da Concorrência (ARC) sancionou com uma pena de advertência a Associação das Escolas de Condução de Moçambique (AECOMO) por impor preços aos seus associados para o ensino de condução, anunciou hoje a entidade reguladora.

Regulador moçambicano adverte escolas de condução por impedirem concorrência

Regulador moçambicano adverte escolas de condução por impedirem concorrência

A Autoridade Reguladora da Concorrência (ARC) sancionou com uma pena de advertência a Associação das Escolas de Condução de Moçambique (AECOMO) por impor preços aos seus associados para o ensino de condução, anunciou hoje a entidade reguladora.

A ARC considera que a decisão da AECOMO pode impedir, falsear ou restringir, de forma sensível, a concorrência, no todo ou em parte, do mercado nacional.

“A infração em causa consubstancia um acordo horizontal proibido, o que ditou que a ARC tomasse preventivamente uma medida cautelar, que consistiu na imediata suspensão da aplicação dos referidos preços”, refere-se na nota.

O regulador assinala que a transgressão não é particularmente grave, na medida em que os preços em causa não foram implementados, não se constatou ter havido vantagem para as empresas envolvidas e a AECOMO colaborou com a ARC até ao termo do procedimento administrativo.

A referida associação foi ainda notificada para se abster de práticas lesivas à concorrência, sob pena de incorrer em sanções gravosas.

Em fevereiro, a AECOMO anunciou a subida dos preços de aquisição da carta de condução, passando a custar 11.500 meticais (177 euros) para veículos pesados, 9.500 meticais (146 euros) ligeiros e 6.700 (103 euros) para motos.

PMA // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS