Recolhido antidepressivo produzido em Portugal para proteger saúde pública

Recolhido antidepressivo produzido em Portugal para proteger saúde pública

As autoridades de Macau anunciaram hoje que vão recolher do mercado um antidepressivo produzido em Portugal para “proteger a saúde pública”, alegando falta de qualidade do medicamento.

Em causa está o “antidepressivo ‘Fluoxetina Bluepharma 20mg Cápsulas’, com número de lote L1707131, produzido pelo fabricante português Bluepharma-Indústria Farmacêutica, SA”, que, já terá sido recolhido voluntariamente pelo importador, pode ler-se no comunicado hoje divulgado pelas autoridades de Macau.

A decisão de se proceder à recolha do medicamento surge “após resultados dos testes de estabilidade terem confirmado que a qualidade padrão era inferior ao estabelecido”.

O antidepressivo faz parte da convenção de medicamentos dos serviços de saúde de Macau, apenas fornecido aos utentes nas farmácias aderentes.

“De forma a proteger a saúde pública, os Serviços de Saúde solicitaram a exportadores e importadores e firmas de venda por grosso dos produtos referidos”, bem como “às farmácias aderentes à convenção para procederem à recolha dos medicamentos em causa”, refere-se mesma nota.

Contudo, sublinha-se no comunicado, “os utentes não devem parar a administração dos medicamentos antes de obtenção do medicamento substituto”, mas sim “pedir informações junto de farmacêuticos, para eventual substituição”, caso provenham do lote L1707131.

O medicamento contém a substância ativa fluoxetina que pertence a um grupo de medicamentos antidepressivos chamados inibidores seletivos da recaptação da serotonina e é utilizado no tratamento, entre os adultos, de episódios depressivos major, perturbação obssessivo-compulsiva e bulimia nervosa.

LEIA MAIS: Homem apanhado a comer da colher de buffet de supermercado [vídeo]

 

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Recolhido antidepressivo produzido em Portugal para proteger saúde pública

As autoridades de Macau anunciaram hoje que vão recolher do mercado um antidepressivo produzido em Portugal para “proteger a saúde pública”, alegando falta de qualidade do medicamento.