Realizaram-se menos 1,2 milhões de consultas de especialidade hospitalar em 2020

O número de consultas de especialidade hospitalar caiu em 2020 face a 2019 devido à resposta à pandemia de covid-19, realizando-se menos 1,2 milhões de consultas – ministra da Saúde.

Realizaram-se menos 1,2 milhões de consultas de especialidade hospitalar em 2020

Realizaram-se menos 1,2 milhões de consultas de especialidade hospitalar em 2020

O número de consultas de especialidade hospitalar caiu em 2020 face a 2019 devido à resposta à pandemia de covid-19, realizando-se menos 1,2 milhões de consultas – ministra da Saúde.

O número de consultas de especialidade hospitalar caiu em 2020 face ao ano anterior devido à resposta à pandemia de covid-19, realizando-se menos 1,2 milhões de consultas, adiantou hoje a ministra da Saúde, Marta Temido.

“Nos hospitais, a atividade assistencial de dezembro de 2020, comparada com 2019, registou uma diminuição nas principais linhas de atividade, designadamente na consulta de especialidade hospitalar. Em dezembro de 2020 havia menos 1,2 milhões de consultas face ao volume de 12,4 milhões de consultas que se tinham realizado em 2019”, afirmou a ministra numa audição na comissão parlamentar de Saúde.

Marta Temido disse que a quebra de atividade foi também extensível às cirurgias, com uma “descida de 126 mil cirurgias face a um volume de 704 mil cirurgias em 2019”, além dos episódios em serviço de urgência hospitalar, no qual se verificaram menos 1,8 milhões em relação aos 6,4 milhões registados no ano anterior.

Paralelamente, Marta Temido admitiu o aumento do número de utentes sem médico de família em 2020, com mais cerca de 105 mil utentes, face à subida do número de inscritos ativos nos cuidados de saúde primários.

“Houve um desequilíbrio assinalável entre o número de aposentações face às entradas de profissionais de medicina geral e familiar”, reconheceu.

Contudo, a ministra da Saúde assinalou a importância do mecanismo de incentivo para a recuperação de cirurgias e primeiras consultas previsto no Programa de Estabilização Económica e Social (PEES) para o relançamento da atividade assistencial no SNS, independentemente de acordos com outros setores do sistema de saúde.

“Permitiu realizar quase 16 mil cirurgias em atividade adicional, com uma execução de 15,5 milhões de euros, e quase 60 mil consultas hospitalares em atividade adicional, com uma execução de 1,7 milhões. Um resultado de execução global de 17,2 milhões de euros”, notou.

Em termos de despesa orçamental, Marta Temido confirmou que o plano de vacinação contra a covid-19 “representou logo, inicialmente, uma despesa de 174 milhões de euros, sem prejuízo de diversas aquisições adicionais que se encontram previstas”. Como tal, foram já realizadas “mais de 400 mil inoculações, salientando-se a de todos os residentes e profissionais em estabelecimentos residenciais para idosos”, com exceção dos lares com surtos ativos.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS