Quase 300 pessoas detidas em Londres em protestos contra alterações climáticas

Quase 300 pessoas foram detidas desde segunda-feira em Londres em protestos contra as alterações climáticas, anunciou a polícia britânica, em novo balanço.

Quase 300 pessoas detidas em Londres em protestos contra alterações climáticas

Quase 300 pessoas detidas em Londres em protestos contra alterações climáticas

Quase 300 pessoas foram detidas desde segunda-feira em Londres em protestos contra as alterações climáticas, anunciou a polícia britânica, em novo balanço.

Londres, 17 abr 2019 (Lusa) – Quase 300 pessoas foram detidas desde segunda-feira em Londres em protestos contra as alterações climáticas, anunciou na noite de terça-feira a polícia britânica, em novo balanço.

O grupo Extinction Rebellion, que ganhou destaque recentemente ao realizar um protesto no parlamento britânico, quando manifestantes se despiram durante um debate sobre o ‘Brexit’, iniciou esta segunda-feira uma semana de protestos na capital.

“Às 21:30, tinham sido efetuadas um total de 168 detenções”, indicou em comunicado a Polícia Metropolitana, elevando para “290 o número total de detenções em dois dias”.

A maioria das detenções foi feita por obstrução da via pública em locais como a ponte de Waterloo, que atravessa o rio Tamisa ou Oxford Circus, onde uma grande parte dos manifestantes se concentrou empunhando cartazes que dizem “Não existe Planeta B” ou “Extinção é para sempre”.

Apesar da intervenção da polícia para tentar retirar as pessoas e da imposição de medidas para manter a ordem pública com as quais se pretendia concentrar o protesto num local apenas, em Marble Arch, várias estradas continuam interrompidas.

Apesar de algumas ações mais exaltadas, como o vandalismo da sede da petrolífera Shell com pinturas no exterior e a destruição de uma porta de vidro, o ambiente dos protestos tem sido pacífico.

Na Ponte de Waterloo foram instalados vasos com árvores, flores, tendas e uma rampa de ‘skate’ e em Oxford Circus, zona comercial e turística da capital britânica, foi instalado um barco de pesca pintado de cor de rosa chamado Berta Cáceres, em homenagem à ativista hondurenha assassinada em 2016.

O objetivo é usar atos de desobediência civil sem recorrer à violência, mas que perturbe a sociedade para criar o impacto que as formas convencionais de sensibilização não conseguiram ter.

FST (BM) // JMC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS