Próximo passo é dotar Angola com vacinas para a agricultura e pecuária

O ministro da Agricultura português afirmou hoje em Luanda que o próximo passo da cooperação no domínio agrícola com Angola é dotar as autoridades sanitárias locais com capacidade para produzir vacinas para animais e plantas.

Próximo passo é dotar Angola com vacinas para a agricultura e pecuária

Próximo passo é dotar Angola com vacinas para a agricultura e pecuária

O ministro da Agricultura português afirmou hoje em Luanda que o próximo passo da cooperação no domínio agrícola com Angola é dotar as autoridades sanitárias locais com capacidade para produzir vacinas para animais e plantas.

Em declarações à agência Lusa, Luís Capoulas Santos, que integrou a comitiva presidencial portuguesa na visita de Estado de Marcelo Rebelo de Sousa a Angola, que hoje terminou, lembrou que o setor agrícola é “fundamental” para o desenvolvimento económico angolano, pelo que tem de se apostar também na defesa dos consumidores.

“O passo seguinte é dotar Angola com a capacidade de produzir vacinas. Existem hoje, à escala global, doenças nos animais e plantas que são induzidas pelas alterações climáticas e que é necessário combater para salvaguardar a economia e a proteção dos consumidores”, afirmou, depois de uma visita ao laboratório Central Agroalimentar de Luanda, em que acompanhou o Presidente português.

Segundo Capoulas Santos, cujo ministério que tutela já tem vários programas de cooperação em curso no terreno com o congénere angolano, a ideia é acreditar Angola com alguns laboratórios de referência, que são “essenciais” para a defesa dos consumidores, pelo que o passo seguinte é ajudar o país a capacitar-se na produção de vacinas.

“Algumas doenças dos animais, as chamadas zoonoses, são as transmissíveis aos humanos, pelo que não se trata de salvaguardar apenas aspetos económicos, mas também questões de saúde pública. É um projeto de grande envergadura, que exige muito conhecimento e equipamentos sofisticados, mas sobretudo recursos humanos devidamente apetrechados”, indicou.

Sem adiantar, “para já”, os nomes das empresas portuguesas que irão ajudar a dar esse passo, Capoulas Santos indicou que o projeto é agora “passível de ser concretizável no horizonte de dois anos”, ou seja, até 2021.

“A estratégia que delineamos definiu um conjunto de passos consecutivos, em que só se avança quando um deles estiver cumprido. E a fase atual da cooperação está a decorrer a bom ritmo”, destacou, lembrando os projetos de cooperação já assinados desde que visitou Angola, em setembro de 2018, durante a visita oficial do primeiro-ministro português, António Costa.

Capoulas Santos realçou também que empresários portugueses do setor estão já em Angola e constituem “exemplos de excelência” na produção de hortícolas e frutícolas, “ao nível do melhor que se faz em qualquer parte do mundo”.

O ministro português admitiu que os empresários, portugueses e angolanos, ainda se debatem com dificuldades estruturais, sobretudo no interior do país, onde faltam infraestruturas e eletrificação, por exemplo.

“Além das grandes potencialidades e de recursos em solos e água, Angola tem ainda problemas terríveis de ausência de infraestruturas. É fundamental que existam vias de comunicação, eletrificação dos locais onde se produz, reabilitação de regadios, enfim, um conjunto de infraestruturas que são fundamentais para o normal desenvolvimento da atividade e que, nalgumas regiões do país, não existem”, referiu.

“A opção do empresário para se instalar tem a ver em primeiro lugar com as condições internas de acolhimento, que têm vindo progressivamente a melhorar, sobretudo nas infraestruturas. A questão dos laboratórios de referência não é despicienda. Mas há um conjunto de outras infraestruturas físicas que são fundamentais e para as quais o Governo angolano está a fazer um enorme esforço para progressivamente ir dotando o país dessas infraestruturas, pelo que cabe agora aos empresários avaliar o conjunto das potencialidades e dificuldades e escolher os melhores locais de instalação”, explicou.

Já na esfera da visita do Presidente português a Angola, e instado pela Lusa a comentar os resultados da deslocação que hoje terminou, Capoulas Santos referiu ter-se avançado politicamente de “forma avassaladora”, sustentando o argumento na assinatura, em apenas seis meses, de 35 acordos de cooperação que abrangem praticamente todos os domínios de atividade.

“A arquitetura da cooperação [bilateral] está praticamente concluída. É preciso agora aproveitar o bom clima político, que todos estamos convencidos que não é episódico, o que permitirá a concretização de toda esta cooperação que, no caso da agricultura, está já numa fase muito avançada. Já deixamos os papéis para trás”, disse.

Sobre o “fenómeno Marcelo” em Angola, Capoulas Santos disse que tal não o surpreende, pois tem assistido a uma “cópia fiel” do que assiste em Portugal.

“[Marcelo] tem características próprias que o diferenciam de todos os outros presidentes ou de políticos que são conhecidos e que são marcadas por uma forte dose de afetuosidade que é retribuída quer em Portugal, quer aqui em Angola, como tenho oportunidade de confirmar também”, disse, lembrando os “banhos de multidão” em Luanda e nas províncias da Huíla e de Benguela.

“O chamado ‘irritante político’ era um verniz muito superficial numa relação que é muito profunda e que foi construída e cimentada ao longo de muitos anos”, referiu, aludindo a uma expressão do ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, que caracterizou o impasse nas relações luso-angolanas, devido à acusação judicial ao ex-vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente, a quem o Ministério Público português imputou crimes de corrupção ativa, branqueamento de capitais e falsificação de documentos.

JSD (IEL) // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS