Projeto abre as ‘janelas do mundo’ da arte e do ambiente aos reclusos de Custóias

O projeto educativo “Janelas para o Mundo”, uma iniciativa da Fundação de Serralves, tem proporcionado, através de sessões sobre o ambiente e a arte, experiências “únicas” e “enriquecedoras” aos reclusos do Estabelecimento Prisional de Custóias, em Matosinhos.

Projeto abre as 'janelas do mundo' da arte e do ambiente aos reclusos de Custóias

Projeto abre as ‘janelas do mundo’ da arte e do ambiente aos reclusos de Custóias

O projeto educativo “Janelas para o Mundo”, uma iniciativa da Fundação de Serralves, tem proporcionado, através de sessões sobre o ambiente e a arte, experiências “únicas” e “enriquecedoras” aos reclusos do Estabelecimento Prisional de Custóias, em Matosinhos.

“Será que isto vai funcionar? Como é que vão reagir?”. Foram estes os primeiros pensamentos de Mariana Roldão quando a Fundação de Serralves lhe propôs, em dezembro de 2018, dar início ao projeto educativo “Janelas para o Mundo” no Estabelecimento Prisional de Custóias.

O objetivo era claro: levar para dentro de portas “cor” e “vida” através de sessões relacionadas com o ambiente e com a arte. Mas não só. Levar também para dentro dos muros que cercam aquela cadeia “outro conceito de liberdade”.

Apesar de ser “um enorme desafio”, nenhum membro do serviço educativo de Serralves, do qual Mariana faz parte, o recusou. Todos tinham o mesmo propósito: contribuir para o desenvolvimento psicossocial da população reclusa.

Desde então, o “Janelas para o Mundo” tem vindo a assumir “um papel bastante interventivo” junto dos reclusos de Custóias, contou, em declarações à Lusa, Mariana Roldão, confessando que depois de cada sessão chega “a casa de coração cheio”.

“O ‘feedback’ que temos do Estabelecimento Prisional é que isto altera o humor, altera a capacidade de entrega também, a recetividade e, por outro lado, de uma forma subtil, também nos provoca emoções e acho que esse é um papel extremamente importante quando estamos num ambiente controlado”, admitiu.

Na sala que outrora acolheu as visitas de familiares e de amigos, e na qual se celebram as festas de Natal, 12 reclusos da unidade livre de drogas constroem hotéis para insetos.

A esta terceira sessão do ambiente, junta-se mais um recluso do grupo dos estrangeiros. Atrasou-se a chegar à sessão do seu grupo, marcada para as 09:00, e como perdeu a lição teórica, decidiu ficar.

Nesta atividade, o objetivo é que os “hotéis de cinco estrelas” construídos com materiais recolhidos do Parque de Serralves proporcionem a reprodução e polinização dos insetos que pelo jardim de Custóias vão passando.

Jaime Pinto, de 47 anos, chegou a Custóias há quatro anos e meio. Ainda lhe faltam mais quatro anos para cumprir a sua pena de prisão por furto de viaturas. Por isso, vai aproveitando “o tempo da melhor maneira”.

Em conversa com a Lusa, admitiu que, apesar da “idade avançada”, tem vindo a aprender “coisas que não sabia”, como os hotéis para insetos, que “nunca” lhe passara “pela cabeça que existiam”.

“Esta é uma forma de passar o tempo e aproveitar da melhor maneira. Por estarmos presos nós somos úteis para a sociedade”, disse o recluso, para quem o estar ali só “é uma passagem”.

Quanto ao projeto, tem a certeza que o vai ajudar “um dia a poder meter em prática lá fora” tudo o que aprendeu ali dentro. Para já, acredita que, tanto ele como os seus companheiros, são uns privilegiados por “receber” um pouco do mundo dentro de portas.

Também Nuno Ribeiro, de 47 anos, considerou o projeto “muito enriquecedor” e uma “experiência única”.

“É muito raro haver estes projetos em estabelecimentos prisionais, é uma parceria importante que transmite uma maior sociabilização para a população reclusa”, apontou.

Nuno Ribeiro cumpre pena por furto associado ao consumo de drogas, sendo que, neste momento, está “em tratamento”.

“Faz-nos ter mais consciência do nosso problema com drogas, de forma a nos fortalecer e não voltar a usar mais”, disse, revelando faltarem três anos para sair em liberdade.

Até lá, o “Janelas para o Mundo” vai continuar a preparar os reclusos para uma das grandes preocupações da Direção Geral dos Serviços Prisionais: o regresso à sociedade.

SPYC // MSP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS