Mais de 20 mil professores colocados hoje nas escolas públicas

Cerca de 24 mil professores ficaram hoje colocados nas escolas públicas portuguesas para o ano letivo 2019/2020

Mais de 20 mil professores colocados hoje nas escolas públicas

Mais de 20 mil professores colocados hoje nas escolas públicas

Cerca de 24 mil professores ficaram hoje colocados nas escolas públicas portuguesas para o ano letivo 2019/2020

Cerca de 24 mil professores ficaram esta sexta-feira, 16 de agosto, colocados nas escolas públicas portuguesas para o ano letivo 2019/2020. 13 mil dos docentes ficaram no mesmo estabelecimento em que estavam no ano anterior. Segundo uma nota do Ministério da Educação, cerca de 300 professores ficaram em «ausência de componente letiva», ou seja, sem horário atribuído, mas terão prioridade nas «reservas de recrutamento».O Governo indica que os 300 docentes nesta situação representam «um valor significativamente baixo quando comparado com anos anteriores».

LEIA DEPOIS
Previsão do tempo para sábado, 17 de agosto

Professores colocados devem dirigir-se ao agrupamento de escolas

As listas encontram-se no portal da Direção-Geral da Administração Escolar e os professores devem apresentar-se nos agrupamentos de escolas no prazo de 72 horas. Caso estejam de férias, baixa ou outro motivo previsto na lei que os impede de comparecer, podem comunicar esse facto até ao primeiro dia útil de setembro.

Nunca uma lista de colocações de professores foi publicada tão cedo, cerca de um mês antes do início do ano letivo, o que permite aos docentes «terem mais tempo para se prepararem para o início das aulas», refere o ministério em nota.

Colocação de professores de quadro

As listas de colocação hoje publicadas referem-se à colocação de docentes de quadro, bem como à colocação inicial de professores contratados. «Na mobilidade interna foram distribuídos mais de 1.700 horários completos e cerca de 400 horários incompletos. Todos os restantes cerca de 13 mil docentes mantiveram a colocação nas escolas onde estiveram no ano letivo anterior», refere o comunicado do Ministério da Educação.

LEIA MAIS
Professora que matou o marido com sete marteladas e 79 facadas diz que este a violentava
Ex-ministro dos Transportes angolano condenado a 14 anos de prisão

 

Impala Instagram


RELACIONADOS