Privacidade, cibercrime e ‘cyberbullying’ entre preocupações de portugueses

A inteligência artificial, a privacidade e segurança de dados na internet, o cibercrime e o ‘cyberbullying’ estão entre as principais preocupações dos portugueses na internet, segundo um estudo hoje divulgado pela Fundação PHC.

Privacidade, cibercrime e 'cyberbullying' entre preocupações de portugueses

Privacidade, cibercrime e ‘cyberbullying’ entre preocupações de portugueses

A inteligência artificial, a privacidade e segurança de dados na internet, o cibercrime e o ‘cyberbullying’ estão entre as principais preocupações dos portugueses na internet, segundo um estudo hoje divulgado pela Fundação PHC.

“Em relação aos principais desafios da população face ao tema “Literacia Digital”, 39% dos portugueses receia a inteligência artificial e quatro em cada 10 portugueses sente-se inseguro a partilhar informações pessoais ‘online'”, refere o estudo realizado em parceria com a OnStrategy e que contou com oito mil respostas válidas. “Adicionalmente, 83% dos portugueses estão preocupados com o cibercrime e 81% com o ‘cyberbullying'” e “88% encontram-se preocupados com a privacidade e segurança de dados ‘online'”, acrescenta. O estudo refere que cerca de 82% dos portugueses considera que a tecnologia está a melhorar a sua qualidade de vida. De igual forma, cerca de 25% diz “não ter o conhecimento para utilizar as soluções digitais”.

Para ler também
Cibercrime, privacidade e cyberbullying preocupam portugueses
O constitucionalista Jorge Bacelar Gouveia defendeu hoje que Portugal ainda está na “fase da adolescência” no desenvolvimento de instrumentos jurídico legais para combater ameaças ‘ciber’, apelando aos atores políticos que revisitem legislação nesta matéria (… continue a ler aqui)

Entre os inquiridos houve também uma concordância com a falta de investimento suficiente para a literacia digital, com 81% a concordar com esta declaração. Quase dois terços (65%) não considera que o Estado português tenha feito “os esforços suficientes para promover o ensino e a literacia digital”, destacando-se o segmento com menos escolaridade (79%). Mais de 56% dos inquiridos disseram que se sentem socialmente excluídos ou discriminados no seu dia a dia por não saberem usar meios digitais.

Quanto à utilização, 68% acredita ser autónomo na sua utilização diária de tecnologia. De acordo com o estudo, as mulheres (60%) recorrem mais a amigos e família quando necessitam de apoio a nível tecnológico do que os homens (38,5%), sendo que estes “procuram mais em tutoriais ‘online’ como o Youtube, ‘sites’ especializados e recorrem mais a especialistas profissionais”. No segmento dos jovens, “mais de metade” procura tutoriais na internet, “revelando bastante autonomia nesta matéria”, diferenciando-se das pessoas com mais de 55 anos, “que dependem quase exclusivamente da ajuda dos familiares”.

A programação é um dos parâmetros com menos conhecimento entre os utilizadores portugueses, com apenas 28% a dizer que tem algum conhecimento – sendo que entre os inquiridos apenas com ensino básico a percentagem é 0%. Metade dos inquiridos quer aprender a programar e 82% pretende ver o ensino de programação no secundário e 83% no superior. Para o futuro, os inquiridos desejam ainda uma evolução nos serviços de saúde (46,5%), jurídicos e justiça (38%), financeiro (33,5%) e nas soluções digitais para uso próprio (35,5%). Por outro lado, energia, telecomunicações e retalho, são as áreas menos valorizadas para a evolução digital.

Impala Instagram


RELACIONADOS