Presidente da República lamenta morte do “génio” Agustina Bessa-Luís

Marcelo lamentou a morte da escritora Agustina Bessa-Luís, reconhecendo o seu génio, a sua criação e expressando as mais sentidas condolências aos seus familiares.

Presidente da República lamenta morte do

Presidente da República lamenta morte do “génio” Agustina Bessa-Luís

Marcelo lamentou a morte da escritora Agustina Bessa-Luís, reconhecendo o seu génio, a sua criação e expressando as mais sentidas condolências aos seus familiares.

Lisboa, 03 jun 2019 (Lusa) — O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou hoje a morte da escritora Agustina Bessa-Luís, reconhecendo o seu génio, a sua criação e expressando as mais sentidas condolências aos seus familiares.

Numa nota publicada do sítio da Presidência da República, na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa salientou que “há personalidades que nenhumas palavras podem descrever no que foram e no que significaram para todos nós”, referindo-se à escritora, que morreu hoje, aos 96 anos.

Para o Presidente da República, Agustina Bessa-Luís evidenciou-se “como criadora, como cidadã, como retrato da força telúrica de um povo e da profunda ligação” entre as raízes dos portugueses e “os tempos presentes e vindouros”.

Na nota, Marcelo Rebelo de Sousa “curva-se perante o seu génio”.

A escritora Agustina Bessa-Luís morreu hoje, aos 96 anos, disse à Lusa fonte da família.

Nasceu em 15 de outubro de 1922, em Vila Meã, Amarante, e encontrava-se afastada da vida pública, por razões de saúde, há cerca de duas décadas.

O nome de Agustina Bessa-Luís destacou-se em 1954, com a publicação do romance “A Sibila”, que lhe valeu os prémios Delfim Guimarães e Eça de Queiroz, que constam de uma lista de galardões que inclui igualmente o Grande Prémio de Romance e Novela, da Associação Portuguesa de Escritores, em 1983, pela obra “Os Meninos de Ouro”, e que voltou a receber em 2001, com “O Princípio da Incerteza I – Joia de Família”.

A escritora foi distinguida pela totalidade da sua obra com o Prémio Adelaide Ristori, do Centro Cultural Italiano de Roma, em 1975, e com o Prémio Eduardo Lourenço, em 2015.

Sobre Agustina, o ensaísta Eduardo Lourenço disse que é “incomparável”, é a “grande senhora das letras portuguesas”, em declarações à Lusa, no final da cerimónia da entrega do Prémio Eduardo Lourenço à autora, há pouco mais de três anos.

Agustina recebeu ainda os Prémios Camões e Vergílio Ferreira, ambos em 2004.

Foi condecorada como Grande Oficial da Ordem de Sant’Iago da Espada, de Portugal, em 1981, elevada a Grã-Cruz em 2006, e o grau de Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras, de França, em 1989, tendo recebido a Medalha de Honra da Cidade do Porto, em 1988.

Questionada sobre o que escrevia, a autora disse, num encontro na Póvoa de Varzim: “É uma confissão espontânea que coloco no papel”.

Sobre a morte da escritora será emitido hoje um comunicado, pelas 15:00, através do Círculo Literário Agustina Bessa-Luís, adiantou a família à Lusa.

O funeral realiza-se na terça-feira, segundo a mesma fonte.

JML // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS