Politécnico de Castelo Branco lidera projeto para reter tóxicos de efluentes mineiros

O Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) e a Universidade de Évora desenvolveram um projeto para testar a eficiência de vários tipos de geomateriais na retenção de tóxicos presentes em efluentes mineiros, responsáveis pela contaminação de cursos de água.

Politécnico de Castelo Branco lidera projeto para reter tóxicos de efluentes mineiros

Politécnico de Castelo Branco lidera projeto para reter tóxicos de efluentes mineiros

O Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) e a Universidade de Évora desenvolveram um projeto para testar a eficiência de vários tipos de geomateriais na retenção de tóxicos presentes em efluentes mineiros, responsáveis pela contaminação de cursos de água.

Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, o IPCB refere que é um dos vencedores da terceira edição do Programa PROMOVE, ao qual apresentou, na categoria de projetos-piloto inovadores, o projeto “Avaliação de alternativas de remediação de massas de água afetadas por drenagem de mina, através da utilização de geomateriais”.

“O objetivo do projeto, liderado pelo politécnico albicastrense e em consórcio com a congénere eborense [Universidade de Évora], passa por testar a eficiência de vários tipos de geomateriais na retenção de catiões metálicos, elementos tóxicos presentes em efluentes mineiros, responsáveis pela contaminação de cursos de água e aquíferos subterrâneos”, lê-se na nota.

A coordenação do projeto esteve a cargo da docente da Escola Superior de Tecnologia (EST) de Castelo Branco Maria Teresa Albuquerque e integrou outros investigadores do Grupo de Monitorização e Remediação Ambiental do Instituto de Ciências da Terra.

“Para além dos ensaios em sistemas hídricos da faixa piritosa ibérica, a qual abrange Alentejo e Andaluzia, o projeto contempla a construção de um modelo holístico com vista a reabilitar a água superficial nesta região transfronteiriça, muito afetada por drenagens ácidas com elevados teores em metais tóxicos, baseando-se para isso em sistemas de informação geográfica e em técnicas da estatística espacial e geoestatística”, refere.

Criado em 2018 pela Fundação La Caixa e pelo BPI, o programa PROMOVE visa estimular iniciativas inovadoras em domínios estratégicos para o desenvolvimento sustentável das zonas de fronteira do interior de Portugal, em particular as áreas correspondentes às regiões do Alto Tâmega e Trás-os-Montes, Beira Interior e Alentejo raiano, e que sejam replicáveis em territórios com características semelhantes.

CCC // SSS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS